Search
Close this search box.

Histórias esquecidas 01: Areal Souto

Areal Souto

Antonio Loureiro

A história de Francisco do Areal Souto é uma mistura de aventura, suspense e humor. O protagonista é um homem forte e destemido, que sempre encontra uma maneira de superar as adversidades. A panela de pressão, que deveria ser uma ferramenta útil, acaba se tornando uma fonte de mistério e diversão.

O macaco infernal ou a primeira panela de pressão de Coari

Francisco do Areal Souto foi um filho temporão do casal Franklin do Areal Souto e Cândida Alves de Souza Pinto, irmão de Antônio do Areal Souto, meu bisavô, nascido vinte oito anos antes dele. Pela tradição ele deveria chamar-se Isaac, mas o padre da igreja de Vertentes, no Ceará, não lhe quis dar o nome judaico e o batizou como Francisco, mas para os familiares, continuou a ser Jesus, do mesmo significado daquele do segundo patriarca.

Mas o fato excepcional acontecido é que ele nasceu no mesmo ano que o do meu avô Antônio Pinto do Areal Souto, seu sobrinho, o que justificaria o nome bíblico, pois a minha bisavó Cândida há muito ultrapassara o tempo das mulheres engravidarem e parirem, já tendo mais de sessenta anos de idade.

Então uma grande seca abateu-se sobre os sertões de Crateús, e a família saiu a pé de Vertentes ou Independência, não sabemos mais ao certo, passando fome e sede pelo caminho, indo parar na serra de Uruburetama, ficando meu avô e tio Francisco Souto com uns parentes ali residentes, em Itapagé e Itapipoca, de onde vieram para o Amazonas.

Apesar de ter chegado como retirante-arigó-seringueiro meu bisavô conseguiu adquirir um pequeno seringal, no Juruá, e pelo seu trabalho educou meu avô, que chegou a ser Governador no Acre e Promotor Federal, em Sena Madureira. Mas esta é outra história.

Tio Francisco do Areal Souto foi para a região de Coari, onde adquiriu um imenso castanhal, foi Prefeito Municipal, Deputado Estadual, Governador Interino do Amazonas e comerciante de produtos regionais.

E foi em Coari que aconteceu esta estória.

No retorno de uma de suas viagens a Manaus, tio Souto trouxera, em sua bagagem, uma novidade especial, uma invenção moderna, que acabava de chegar do Sul, capaz de cozinhar os mais duros alimentos, até carne de pescoço — a panela de pressão.

Talvez não fossem tão bem-feitas quanto as atuais, mas os vendedores diziam que ela cozinhava rapidamente o feijão mais duro e até a carne da anta desmanchava dentro dela.

Chegando ao castanhal tio Souto quis logo experimentar o produto e as suas vantagens, as que lhe tinham passado sobre aquela panela maravilhosa.

Um caçador trouxera-lhe um macaco para o almoço, animal de carne dura e difícil de cozinhar, um ótimo teste para o novo equipamento adquirido. O fogo foi aceso e o macaco, bem temperado na panela, foi colocado em cima do fogão de lenha.

Areal Souto

Os convidados, para assistirem à inauguração da panela, foram chegando das localidades vizinhas, ficando ali por perto, entretidos em um animado jogo de dominó. As batidas sobre a mesa repetiam-se, as partidas desdobravam-se, as conversas estendiam-se, os goles de cachaça se repetiam e a panela foi sendo esquecida e aquecida.

De repente um gigantesco estrondo, seguido de um assobio. Todos se voltaram para o fogão e ali já não mais estava na panela. Um furo na cobertura de palha mostrava o azul do céu.

Procuram o objeto em toda a parte, em todos os lugares, no meio da mata, nos arredores da cabana e nada. O esperado almoço de carne amolecida de macaco desaparecera sem deixar rastro.

Logo os mais desconfiados e medrosos começaram a comentar que aquilo teria sido uma obra do coisa ruim, que disfarçado de macaco dentro da panela, enfurecido e aprisionado, desaparecera com ela.

Areal Souto

Fonte: Blog do Francisco Gomes

Leia mais em:

O homem que escreveu sobre o palhaço e a rosa – 2018

Tio Antunes — Contos de Erasmo Linhares — 1995

Quebra-Queixo — Erasmo Linhares — 1999

Está gostando ? Então compartilha:

4 comentários em “Histórias esquecidas 01: Areal Souto”

  1. Pingback: O Vinho e a Outra Face – Cultura Coariense

  2. Pingback: Amazônia na Dança das Águas - Adal Amazônico - 2015 – Cultura Coariense

  3. Pingback: Chegando na Cidade de Quari - 2017 – Cultura Coariense

  4. Pingback: Folclore Coariense: uma visão de Coari - 1957 – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Praça São Sebastião
Literatura
Archipo Góes

A Praça São Sebastião

O texto descreve a Praça São Sebastião em Coari como um local impregnado de memórias e eventos significativos para a comunidade local. Desde arraiais a marchas cívicas, procissões, gincanas e festas de carnaval, a praça foi o cenário de diversas atividades que marcaram a cultura coariense. Além disso, a presença de edifícios importantes como a Catedral, escolas e órgãos públicos ressaltam a relevância histórica do local. As lembranças nostálgicas do autor sobre a praça e seus arredores durante a década de 1980, incluindo detalhes culinários e encontros sociais, destacam a importância afetiva e cultural desse espaço na vida da comunidade.

Leia mais »
Feira
Literatura
Archipo Góes

A Feira

Texto de memórias de Manuella Dantas sobre suas lembranças de infâncias acerca da feira do produtor rural de Coari.

Leia mais »
Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Narraremos a biografia de Deolindo Dantas, um importante líder político e comercial da cidade Coari. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e um personagem lendário e polêmico na história de nossa cidade.

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.