Search
Close this search box.

Quebra-Queixo — Erasmo Linhares — 1999

Quebra-Queixo

O texto Quebra-Queixo é um conto de Erasmo Linhares que narra o personagem de uma cidade pequena e seus conflitos de juventude.

Um sonho presente
Um dia sonhei
Chorei, de repente,
Pois vi, despertado,
Que tinha sonhado.

(Manuel Bandeira)

Foi batizado Antônio. Quando criança o chamavam de Tonho, depois virou Quebra-Queixo, no folclórico das gentes daquela cidadezinha perdida nos ermos do alto rio. O apelido lhe veio dos caroços que tinha no rosto. Igualzinho àquele doce que se faz de açúcar e castanhas-do-Pará. Sequelas das espinhas que lhe nasceram no rosto, assim que entrou na adolescência, sem que soubesse tratá-las.

Quebra-Queixo jamais vira uma mulher inteiramente nua. Tinha ideias vagas que colhia nas conversas com os amigos, que escutava quase sempre calado, remoendo-se por dentro.

Ia a algumas festas, mas ficava recolhido a um canto, deixando a cerveja esquentar na garrafa.

Seus familiares se afligiam. Temiam por sua masculinidade. Mas não era isso. Ele tinha vergonha do rosto. E por causa disso não se aproximava das mulheres.

Já passava dos vinte e cinco anos e embora trabalhasse na única olaria da cidade, olhava as colegas de esguelha, fingindo que não as via.

Não que lhe faltassem desejos de possuí-las ou, pelo menos, de namorá-las. Este, aliás, era seu grande tormento. À noite, deitava-se com todas elas, nos devaneios de suas longas madrugadas. Amava profundamente a formosa Joaninha, formosa e fogosa, filha de dona Orlanda, em plena flor da juventude, os pequenos seios saltando sob a camisa, fazendo ritmo frenético com as grossas coxas e as ancas protuberantes. Mas a evitava. Nunca a olhava, quando, por acaso, cruzava com ela no meio da rua.

Exacerbava-se no prazer solitário, mas chegou o dia em que enjoou de tudo isso, os amigos o estimulavam, mas Quebra-Queixo tinha vergonha até mesmo de prostitutas. E foi justamente uma delas que o iniciou nos mistérios do amor. Obra tramada, às escondidas, pelos amigos. Conversaram, com muita lábia, a Quitéria Bundona.

Mesmo sendo topa-tudo, Quitéria vacilou, mas diante do que lhe ofereceram, não tardou a aceitar a incumbência.

Aguardou um momento propício e, depois de uns dez minutos de conversas, arrastou Quebra-Queixo para o quartinho de estância, cuja dona os alugava para encontros amorosos. Quebra-Queixo foi entre contente e angustiado.

Quando a mulher se despiu, teve um frêmito que quase o leva ao desmaio. A antiga prostituta o reanimou com carinhos que ele jamais imaginara existir. Quebra-Queixo entregou-se depois de umas rápidas instruções. Mas, quando chegou ao clímax, foi apagando lentamente e hirto sobre o corpanzil da mulher. Quitéria, entre o temor e a raiva, jogou-o de lado, vestiu-se e foi embora.

À saída, amigos o esperavam ansiosos.

— Como foi? perguntou um deles.

— Não sei. De repente, luz foi-se apagando de meus olhos.

A experiência o transformou. Quebra-Queixo tornou-se ladino. Deu de olhar as mulheres de frente. Uma vez piscou para a mulher do Cipriano e levou uma poderosa bofetada. Escreveu um bilhete apaixonado para a Joaninha, mas, por precaução, não o assinou. A jovem o atribuiu, confusa, aos rapazes aos quais secretamente, desejava.

Num domingo, Quebra-Queixo bebeu além da conta e, com a alegria álcool, resolveu ir à casa de Dona Orlanda. Bateu palmas e pediu para falar com Joaninha. Quando a moça apareceu, espantada ao vê-lo, Quebra-Queixo foi dizendo sem delongas:

— O autor daquele bilhete que você recebeu sou eu. Quer casar comigo?

Joaninha não respondeu. Saiu correndo em prantos e Quebra-Queixo ficou parado onde estava bêbedo e confuso. Um minuto depois, o ódio começou brotar como erva daninha. Correu para o meio da rua e o alto que pôde, gritou:

— Vá à merda, sua puta.

Dona Orlanda desmaiou.

Leia mais sobre a cultura coariense em:

A “Festa” da Banana – Coari

Saga Ribeirinha – Alex Alves

Mura-Cão-Era – (Lenda Coariense)

Origem, memória e cultura do boi-bumbá no município de Coari-am

Está gostando ? Então compartilha:

4 comentários em “Quebra-Queixo — Erasmo Linhares — 1999”

  1. Mais um conto de Erasmo que brinca com a intimidade e sensualidade de seus personagens. Nos faz lembrar de velhas lembranças de outras épocas e de outros comportamentos. Parecíamos todos inocentes.

  2. Pingback: O homem que escreveu sobre o palhaço e a rosa - 2018 – Cultura Coariense

  3. Pingback: Histórias esquecidas 01: Areal Souto – Cultura Coariense

  4. Pingback: A Lenda Coariense do Caripira - 004 – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.