Search
Close this search box.

Maria Creuza de Souza – 2005

Maria Creuza

Por Adriana Brandão

Reportagem publicada em 07/03/2005

A escritora coariense Maria Creuza de Souza vive na França há quase vinte anos. Sua obra de ficção é inspirada na tradição oral, nos contos e lendas dos povos da floresta amazônica

Maria Creuza
Maria Creuza: de curupira a La Fontaine

A escritora coariense Maria Creuza de Souza vive na França há quase vinte anos. Sua obra de ficção é inspirada na tradição oral, nos contos e lendas dos povos da floresta amazônica.

Oficialmente, Maria Creuza de Souza tem 54 anos, mas ela afirma ser dois anos mais nova. Como era costume na sua juventude num vilarejo às margens do rio Amazonas, sua idade foi aumentada para que ela pudesse se casar. Maria Creuza nasceu na ilha de Botija, que fica a três dias de barco rio acima de Manaus, numa família mista e numerosa. O pai caboclo era viúvo e tinha três filhos quando se casou com a mãe, também viúva e com sete filhos. Do novo casamento, nasceram mais três filhos.

A ilha da Botija pertencia ao avô materno de Maria Creuza, de origem europeia. Ele emigrou para o Brasil na virada do século vinte. Foi primeiro para o Ceará, onde conheceu a mulher, também de origem europeia, antes de se instalar na Amazônia na época do ciclo da borracha. Maria Creuza desconhece a origem exata dos avós maternos, mas reivindica ser fruto dessa mestiçagem cabocla/nordestina/europeia que ajudou a colonizar as regiões ribeirinhas do Amazonas.

Um imaginário formado pela mistura da cultura cabocla e europeia.

Aos seis anos, Maria Creuza se mudou com a família para a cidade vizinha de Coari, onde passou sua infância e adolescência embalada pelos contos tradicionais e lendas orais da Amazônia. Estórias encantadas do boto, da cobra-grande, jiboias e outros animais estranhos, da Mãe d’água, Mãe do mato, Curupira que ela ouvia ao mesmo tempo que fábulas de La Fontaine e romances europeus sobre príncipes e princesas de reinos longínquos, orientais, desconhecidos e irreais que eram contados pela mãe.

«As estórias de um mundo tão próximo, misturadas às outras de um mundo impalpável, aumentaram meu horizonte imaginário», gosta de repetir Maria Creuza. Suas duas vocações: professora de letras e escritora, revelam a busca de um denominador comum entre essas duas culturas.

Maria Creuza é a única de todos os seus irmãos a ter feito um curso superior. Ela é formada em Letras Modernas, pela Universidade de Manaus, cidade para onde se mudou e viveu até 1986, quando veio para a França. Ela dava aulas de francês na capital amazonense quando recebeu uma bolsa de estudos para fazer uma especialização pedagógica de um ano em Sèvres, subúrbio parisiense.

Maria Creuza
“Um vasto horizonte imaginário” (Foto : Adriana Brandão/RFI)

Escritora no estrangeiro

Como outros estudantes brasileiros que vêm estudar na França e decidem ficar por motivos pessoais ou profissionais, Maria Creuza acabou ficando em Paris, com os três filhos. Apenas com o visto de estudante, não conseguia trabalhar corretamente para sustentar a família e muito menos continuar os estudos.

Em 1992, obteve finalmente um visto de residente. Trabalhou em instituições de prestígio, como a Ecole Normale Supérieure onde chegou a ensinar português para pesquisadores franceses, mas pôde principalmente retomar os estudos e concretizar um sonho antigo: escrever. Quase como uma antropóloga, Maria Creuza passou para o papel as estórias encantadas da Amazônia que ouvia na infância para divulgar «essa terra muito falada, mas pouco conhecida».

Uma iniciativa que não interessou muito os editores franceses. Depois de algumas recusas, Maria Creuza de Souza decidiu bancar ela mesma a publicação de seus livros. Criou uma empresa, a Jatyba Produção e Criação, e lançou até agora três livros, em francês: La Source de l’Amazone murmure le roman du soleil et de la lune; Contes de Nuit e Contes et légendes d’Amazonie. Todos são ilustrados pela paranaense Márica Széliga.

Nenhum dos três livros foi lançado no Brasil, mas ironicamente a escritora vende muito mais exemplares no Amazonas do que na França. Apesar de viver há quase de vinte anos em Paris e se sentir integrada, a escritora Maria Creuza de Souza pensa em trocar seu pequeno quarto e sala no décimo nono distrito de Paris pela imensidão da floresta amazonense que ainda alimenta seus sonhos e saudades.

Leia mais em:

A Cólera em Coari – 1991

Cobra Grande do Lago de Coari, no rio Amazonas — 2021

Gregário, o Mateiro – 05

Projetos desenvolvidos em Coari resgatam a cultura popular

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Praça São Sebastião
Literatura
Archipo Góes

A Praça São Sebastião

O texto descreve a Praça São Sebastião em Coari como um local impregnado de memórias e eventos significativos para a comunidade local. Desde arraiais a marchas cívicas, procissões, gincanas e festas de carnaval, a praça foi o cenário de diversas atividades que marcaram a cultura coariense. Além disso, a presença de edifícios importantes como a Catedral, escolas e órgãos públicos ressaltam a relevância histórica do local. As lembranças nostálgicas do autor sobre a praça e seus arredores durante a década de 1980, incluindo detalhes culinários e encontros sociais, destacam a importância afetiva e cultural desse espaço na vida da comunidade.

Leia mais »
Feira
Literatura
Archipo Góes

A Feira

Texto de memórias de Manuella Dantas sobre suas lembranças de infâncias acerca da feira do produtor rural de Coari.

Leia mais »
Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Narraremos a biografia de Deolindo Dantas, um importante líder político e comercial da cidade Coari. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e um personagem lendário e polêmico na história de nossa cidade.

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.