Search
Close this search box.

Um dia de Santana em Coari em uma Igreja Ministerial

Santana

O porto da cidade de Coari estava bem movimentado naquela manhã do dia 26 de julho. Muitos, ainda, chegavam das comunidades ou dos lugares ermos dos lagos e do Rio Solimões. Os moradores do Jussara e do Ariá vinham, na última hora, para a procissão e a missa.

O dia seria intenso para os dirigentes de comunidades que finalizariam seu curso no Centro Paroquial. Traziam seus filhos pequenos e bebês, e se alojavam com parentes ou dormiam no motor que os trouxera.

Os trabalhadores da castanha, que tinham saldo, estavam ali, para gastar e celebrar com a Santa, o resultado do trabalho que deu, também, para eles e não só para o patrão. Quem saldou pouco já estava emprestando e prometendo assim voltar para trabalhar e viver longe da cidade e de seus parentes, por mais um ano.

Naquele burburinho do cais, contava-se uma história do dia seguinte da festa, que acontecera em anos anteriores.

“Certo patrão, com dificuldade de fixar fregueses tiradores de castanha, nos altos rios do Lago de Coari, viera para a festa e trouxera muitos deles sem limite para gastar, repassando a eles valores bastante altos. A turma veio rezar, se divertir e gastar. O patrão voltaria, no dia seguinte com eles, para o castanhal, distribuindo cada um na sua ‘colocação’. Aconteceu que, na hora de voltar, poucos estavam no batelão e, ainda, comentavam que alguns não iam voltar para aquela vida. Não deu outra, o patrão foi até a delegacia e solicitou que o delegado convocasse os soldados para irem buscar os desertores. Dizem que até espingarda houve, apontando para que subissem no batelão de retorno”.

Se foi bem assim, não posso garantir.

O dia da Festa da Santa, daquele ano, correu. A tarde quente aquecia a multidão que se concentrava na frente da catedral de Santana. A procissão ia começar, alto-falantes no carro de som garantia o canto “Oh Ana, Santana e Gloriosa” e bonitos comentários do Pe. Jacson, com sua animação encerrando o novenário naquele apoteótico final devocional.

Naquela vez, lenços brancos ou guardanapos de papel rodopiavam no ar, o que a equipe de liturgia providenciou e espalhou para os devotos. Extasiante e lindo foi ver o pôr do sol refletido nas águas escuras do lago, certamente misturadas às lágrimas daqueles que sofriam a exploração.

Santana se tornou a eterna mãe protetora de Maria Imaculada. E para ela, todos nós, filhos e filhas, fomos entregues a Jesus no alto da cruz. Assim, a Memória Viva de Jesus alcançaria a todos copiosamente.

Houve, ainda, o compromisso dos dirigentes das comunidades eclesiais da zona rural, uns vivas fortes para eles, que reuniam o povo aos domingos, na certeza da promessa de Jesus: “onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” (Mt 18,20). Dom Gutemberg, inspirado por essa afirmação, explicava o congraçamento da unidade da fé por um só rebanho e um só pastor, naquela tarde de fé e esperança. Rezar pelas vocações era a súplica nascida do sonho de uma igreja local forte e com seu clero autóctone.

Santana

Um arraial avançava na noite. Eu, ajudando a meter a mão no gelo e servir aos que compraram cerveja. A noite de arraial acabava muito tarde.

O Pe. Pascoal arrematava uma galinha para a nossa comunidade saborear antes de dormir e comentar a alegria do povo e o prestígio da Padroeira. O sono daquela noite seria cantado pelos anjos, proclamando o Glória a Deus nas alturas e Paz nos castanhais!

Excerto do livro: O Segredo Redentor dos Rios: as aventuras de um missionário caboclo – Nelson Peixoto

Nelson Peixoto

Nelson Peixoto

Autor do texto: Um dia de Santana em Coari em uma Igreja Ministerial.

O Trio Guadalupe – 1987

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

O boi de França e o boi de Ioiô

O Novenário de Santana

Como se Preparar para o Miss Coari – 2017

Está gostando ? Então compartilha:

1 comentário em “Um dia de Santana em Coari em uma Igreja Ministerial”

  1. Pingback: Correcampenses x Garantianos – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Garantianos
Folclore
Archipo Góes

Correcampenses x Garantianos

A crônica Correcampenses x Garantianos, narra a rivalidade entre os bois-bumbás Corre-Campo e Garantido em Coari, marcada por brigas e um episódio de violência em 1989. A retomada do festival em 1993 e a vitória do Corre-Campo geraram reações distintas. A crônica reflete sobre a polarização social, a cultura popular como identidade local e a importância da tolerância para a harmonia.

Leia mais »
Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.