Search
Close this search box.

Nunca Mais Coari

Nunca Mais Coari

Nesse texto podemos observar a apresentação feita pelo escritor Daniel Almeida da obra Nunca Mais Coari.

Exímio conhecedor da importância da história como instrumento de conscientização do homem para a tarefa de construir um mundo melhor e uma sociedade mais justa, Archipo Góes nos presenteia com o livro: “Nunca Mais Coari: A fuga dos Jurimáguas”. A obra é resultado de mais de 25 anos de pesquisa, através da qual, o autor apresenta um riquíssimo registro da história da Coari do século XVII até o ano de 1950, revelada por meio das crônicas dos viajantes, de anais dos poderes executivo e legislativo e das publicações de jornais da época, além da análise de várias obras literárias e da coleta de depoimentos de pessoas que presenciaram os acontecimentos históricos mais recentes, narrados aqui neste livro.

Esta é uma obra de leitura instigante para aqueles que se interessam pela história da construção da sociedade coariense, indispensável para os historiadores, e emocionante para os saudosistas. É uma amostra autêntica e detalhada de como se deu a formação do município de Coari. História feita por homens, mulheres, indígenas, não indígenas, nordestinos, ricos e pobres; por dominantes e dominados, governantes e governados, pelos conflitos e pela paz, por intelectuais e principalmente pelas pessoas comuns.

A Coari do período histórico a que o livro se refere foi marcada por uma forte presença dos missionários católicos das ordens dos carmelitas e dos jesuítas, que tinham a incumbência de “catequizar os indígenas” que habitavam às margens dos rios Solimões, Japurá e Negro, propagando-se, dessa forma, que teria sido Samuel Fritz o fundador de Coari. Entretanto, Góes constatou que Fritz, que tudo registrava em seu diário e em seu mapa, não citou que fora ele o fundador de Coari, o que reforça a tese de que os fundadores de Coari foram os índios Jurimáguas, e que seus primeiros catequizadores foram os carmelitas.

Nunca Mais Coari

Em suma, em “Nunca Mais Coari: A fuga dos Jurimáguas”, Archipo Góes expõe os fatos históricos que mais marcaram a vida dos primeiros habitantes da atual área do município de Coari, desde os índios Jurimáguas, “valente tribo de índios do Solimões (Amazônia brasileira) e os verdadeiros fundadores da Freguesia de Coari” que, com a chegada dos invasores europeus, foram expulsos, ou seja, forçados a abandonar as suas terras, até a chegada do “carro de boi” e da luz elétrica, à época (décadas de 1940 e 1950) os maiores símbolos do “surto de progresso, paz e prosperidade” que os moradores da cidade usufruíam.

Ao permear a narrativa com descrições de como ocorreu a evolução religiosa e política do município, através do processo de catequização, com a chegada dos Missionários Redentoristas e das Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo, e da emancipação política da sociedade coariense, a qual é marcada, desde o início, por conflitos sanguinários, como nos casos do prefeito Herbert Lessa de Azevedo e do Tenente Holanda, o nosso pesquisador, historiador, escritor e poeta corrobora significativamente para a conservação da nossa memória histórica.

Nunca Mais Coari

Parabéns, Archipo, as nossas atuais e futuras gerações saberão ser gratas aos seus mais de 25 anos dedicação a esse trabalho!

Daniel de Almeida Alves
(Licenciado em Letras pela Universidade do Estado do Amazonas)

Leia mais em:

Cobra Grande do Lago de Coari, no rio Amazonas — 2021

Minhas memórias do festival folclórico coariense (1976–1993)

Morre Joaquim Melo, o grande fomentador da cultura – 2023

Projetos desenvolvidos em Coari resgatam a cultura popular

Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari Nunca Mais Coari

Está gostando ? Então compartilha:

3 comentários em “Nunca Mais Coari”

  1. Como faço para adquirir a Obra “Nunca Mais Coari: A fuga dos Jurimáguas”, do escritor Archipo Góes.

  2. Em Manaus:
    Banca do Largo
    Endereço: R. José Clemente, 573 – Centro, Manaus – AM
    Telefone: (092) 3234-8856 – ao lado do Teatro Amazonas
    Diariamente, das 16 às 21h

    Em Coari:
    Loja Coari.com
    Tv Raimundo Mota, 180 – Centro
    ao lado da Câmara Municipal.

  3. A leitura dessa obra é recomendada a todas as idades e habitantes, ou apenas moradores de passagem por Coari, ou curiosos, pela história da cidade e município de Coari! Trás muitas revelações curiosas, inteligentes e pertinentes a um grande contexto histórico sobre não apenas a denominação do lugar onde hoje se extrai petróleo e gás natural, mas de toda uma trajetória de descobertas e características amazônicas. O local nunca foi pensado pra ser uma cidade de verdade, mas apenas um Porto de referência. Tefé, que existe como cidade desde 1759 , recebia todos os méritos dos viajantes e exploradores da região através dos séculos de descoberta da região! Só foi a partir de 1874 que o lugar onde está Coari começaria a ser transformado e urbanizado!Essa obra nos situa no tempo, no espaço e na trajetória da história de Coari!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.