Search
Close this search box.

Chegando na Cidade de Quari – 2017

Boca do Mamiá

Archipo Góes

Chegando em minha Quari, reconheço
Em cada vão detalhe, minha história.
Na paisagem vejo um pouco de mim
Transformando-se na minha memória.
Todo reflexo no espelho d’água
Resplandece seu passado de glória.

Na janela esquerda vejo chegar
Itapéua – nossa “pedra achatada”.
Se você não conhece seus caminhos
Na margem, a viagem é findada.
Em seu canal há grande profundeza
Tem armadilha por toda beirada.

Agora que estamos chegando perto
Vem uma sensação de ansiedade.
É sempre muito grande a expectativa
De logo chegar em minha cidade.
Agora vejo as barreiras vermelhas
Lá, Muras feriam sem piedade.

Também temos um encontro das águas.
No rio Solimões é bem barrenta,
Mas é água rica, cheia de peixes.
E assim, seus muitos filhos, alimenta.
No lago, é negra como nanquim,
Nesse reencontro, a beleza aumenta.

O sorriso aparece no meu rosto,
Assim que dobramos pela matinha.
Tenho uma linda vista de Quari
Com os seus flutuantes na prainha.
E ao longe, em cima do grande morro
Reparo a nossa imponente igrejinha.

Chegando feliz no porto de ferro,
Assisto um boto Tucuxi nadando,
Veio da ponta do Jurupari,
Rápido e faceiro, vem me saudando.
A linda Matriz que surgia longe,
Está risonha nos abençoando.

Quari

Leia mais em:

Histórias esquecidas 01: Areal Souto

O Vinho e a Outra Face – 2013

O homem que escreveu sobre o palhaço e a rosa – 2018

A História do Miss Coari (1940 – 1967)

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Garantianos
Folclore
Archipo Góes

Correcampenses x Garantianos

A crônica Correcampenses x Garantianos, narra a rivalidade entre os bois-bumbás Corre-Campo e Garantido em Coari, marcada por brigas e um episódio de violência em 1989. A retomada do festival em 1993 e a vitória do Corre-Campo geraram reações distintas. A crônica reflete sobre a polarização social, a cultura popular como identidade local e a importância da tolerância para a harmonia.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

Um dia de Santana em Coari em uma Igreja Ministerial

O texto narra a vivência da festa da padroeira de Coari, retratando a devoção à Santana, a padroeira da cidade, e a importância da fé para o povo local. A narrativa destaca a movimentação do porto, a participação dos trabalhadores da castanha, a procissão, a missa e o arraial, revelando a religiosidade popular e a cultura local. A história do patrão e dos trabalhadores da castanha ilustra a exploração do trabalho na região, enquanto a presença do bispo e dos padres reforça o papel da Igreja Católica na comunidade. O texto termina com a reflexão sobre a fé, a esperança e a importância da preservação da tradição.

Leia mais »
Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.