Nunca Mais Coari

Exímio conhecedor da importância da história como instrumento de conscientização do homem para a tarefa de construir um mundo melhor e uma sociedade mais justa, Archipo Góes nos presenteia com o livro: “Nunca Mais Coari: A fuga dos Jurimáguas”. A obra é resultado de mais de 25 anos de pesquisa, através da qual, o autor apresenta um riquíssimo registro da história da Coari do século XVII até o ano de 1950, revelada por meio das crônicas dos viajantes, de anais dos poderes executivo e legislativo e das publicações de jornais da época, além da análise de várias obras literárias e da coleta de depoimentos de pessoas que presenciaram os acontecimentos históricos mais recentes, narrados aqui neste livro.

Esta é uma obra de leitura instigante para aqueles que se interessam pela história da construção da sociedade coariense, indispensável para os historiadores, e emocionante para os saudosistas. É uma amostra autêntica e detalhada de como se deu a formação do município de Coari. História feita por homens, mulheres, indígenas, não indígenas, nordestinos, ricos e pobres; por dominantes e dominados, governantes e governados, pelos conflitos e pela paz, por intelectuais e principalmente pelas pessoas comuns.

A Coari do período histórico a que o livro se refere foi marcada por uma forte presença dos missionários católicos das ordens dos carmelitas e dos jesuítas, que tinham a incumbência de “catequizar os indígenas” que habitavam às margens dos rios Solimões, Japurá e Negro, propagando-se, dessa forma, que teria sido Samuel Fritz o fundador de Coari. Entretanto, Góes constatou que Fritz, que tudo registrava em seu diário e em seu mapa, não citou que fora ele o fundador de Coari, o que reforça a tese de que os fundadores de Coari foram os índios Jurimáguas, e que seus primeiros catequizadores foram os carmelitas.

Em suma, em “Nunca Mais Coari: A fuga dos Jurimáguas”, Archipo Góes expõe os fatos históricos que mais marcaram a vida dos primeiros habitantes da atual área do município de Coari, desde os índios Jurimáguas, “valente tribo de índios do Solimões (Amazônia brasileira) e os verdadeiros fundadores da Freguesia de Coari” que, com a chegada dos invasores europeus, foram expulsos, ou seja, forçados a abandonar as suas terras, até a chegada do “carro de boi” e da luz elétrica, à época (décadas de 1940 e 1950) os maiores símbolos do “surto de progresso, paz e prosperidade” que os moradores da cidade usufruíam.

Ao permear a narrativa com descrições de como ocorreu a evolução religiosa e política do município, através do processo de catequização, com a chegada dos Missionários Redentoristas e das Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo, e da emancipação política da sociedade coariense, a qual é marcada, desde o início, por conflitos sanguinários, como nos casos do prefeito Herbert Lessa de Azevedo e do Tenente Holanda, o nosso pesquisador, historiador, escritor e poeta corrobora significativamente para a conservação da nossa memória histórica.

Parabéns, Archipo, as nossas atuais e futuras gerações saberão ser gratas aos seus mais de 25 anos dedicação a esse trabalho!

Daniel de Almeida Alves
(Licenciado em Letras pela
Universidade do Estado do Amazonas
)

3 comentários em “Nunca Mais Coari”

    1. Em Manaus:
      Banca do Largo
      Endereço: R. José Clemente, 573 – Centro, Manaus – AM
      Telefone: (092) 3234-8856 – ao lado do Teatro Amazonas
      Diariamente, das 16 às 21h

      Em Coari:
      Loja Coari.com
      Tv Raimundo Mota, 180 – Centro
      ao lado da Câmara Municipal.

  1. A leitura dessa obra é recomendada a todas as idades e habitantes, ou apenas moradores de passagem por Coari, ou curiosos, pela história da cidade e município de Coari! Trás muitas revelações curiosas, inteligentes e pertinentes a um grande contexto histórico sobre não apenas a denominação do lugar onde hoje se extrai petróleo e gás natural, mas de toda uma trajetória de descobertas e características amazônicas. O local nunca foi pensado pra ser uma cidade de verdade, mas apenas um Porto de referência. Tefé, que existe como cidade desde 1759 , recebia todos os méritos dos viajantes e exploradores da região através dos séculos de descoberta da região! Só foi a partir de 1874 que o lugar onde está Coari começaria a ser transformado e urbanizado!Essa obra nos situa no tempo, no espaço e na trajetória da história de Coari!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + dezesseis =