Search
Close this search box.

Deolindo Dantas – 1895

Deolindo Dantas

Archipo Góes

Deolindo Alfredo Dantas, major da guarda nacional, natural de Teixeira-PB[1], descendente da expressiva família Dantas da Paraíba, sobrinho de João Dantas[2]. Deolindo Dantas ainda criança e sua família chegaram a Manaus-AM no ano de 1895, período “pré-época áurea da borracha”. Por um tempo moraram no Camará (Distrito de Coari) e logo depois na vila de Coari, vindo morar na rua XV de novembro, a rua da frente.

Na sua juventude começou seus empreendimentos em diversas áreas, comprou alguns seringais e castanhais. Foi o primeiro a implantar uma usina de energia, na qual ela supria e provia seus outros negócios, como: uma serraria, fábrica de sabão, padaria, indústria de beneficiamento de pau rosa e uma sorveteria. Comprou as terras da antiga Freguesia e um Sobradinho no Tauá-mirim, pertencente a um turco que já vivia distante, no Oriente Médio. O Antigo dono do Sobradinho passou uma procuração autorizando a venda em árabe, que primeiro foi traduzida em outro documento em francês, para depois ser traduzido para o português finalmente.

Deolindo Dantas foi um dos empresários mais próspero de nossa cidade na primeira metade do século XX, chegando a possuir um famoso barco, que era um bem muito valioso naquele período, com o nome de Alvorada.

Foi casado três vezes. No primeiro, desposou Adelaide Correia Dácia (depois mudou para Dantas), e desse matrimônio nasceu: Antônio Correa Dantas, a filha conhecida como Senhorita, Lamartine Correa Dantas, Nair Correa Dantas e Américo Dantas (Jacó).

O Segundo Casamento foi com Francisca de Freitas Gintirana, e dessa núpcia nasceu Alvelos (Raimundo de Freitas Dantas) e Dandi (Deolindo de Freitas Dantas). E da terceira união nasceu Nelson Dantas, que hoje mora em Brasília.

Na segunda metade da década de vinte, Deolindo, tornou-se um grande líder político devido ao seu sucesso como comerciante desbancando o famoso Coronel Lucas de Oliveira Pinheiro, até então líder da cidade. Contudo, o então Coronel de Barranco Lucas Pinheiro entrou em falência, vendendo a maior parte de seus seringais e castanhais para Deolindo Dantas, assim encerrando suas atividades políticas e econômicas na cidade de Coari.

O major Deolindo Dantas, foi o principal chefe político da UDN (União democrática Nacional), situava-se na ala conservadora dos ruralistas, partido que fazia oposição ao Presidente Vargas, de quem Montoril, era fiel partidário. Possuía muitos bens, principalmente imensos seringais e castanhais, onde se desenvolvia fortemente um comércio extrativista marcado pelo sistema de aviamento que caracterizava a economia amazônica na época.

Nas eleições suplementares realizadas em 11 de março de 1951, o Major Deolindo chegou a eleger deputado estadual seu filho Deolindo de Freitas Dantas, conhecido por Dandi, que recebeu 481 votos representando a UDN. E na mesma eleição Alexandre Montoril foi reeleito pelo PSD (Partido Social Democrático) com 549 votos. Dessa forma, no princípio dos anos dourados Coari tinha dois deputados estaduais que travavam vários embates políticos que influenciaram diretamente a vida da cidade.

O líder político, coronel Deolindo Alfredo Dantas, faleceu em 13 de novembro de 1966.

[1] Teixeira é um município brasileiro no estado da Paraíba, localizado na microrregião da Serra do Teixeira e integrante da Região Metropolitana de Patos.

[2] No dia 26 de julho de 1930, em Recife, João Dantas assassinou João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, então governador do estado da Paraíba. Sua morte serviu como estopim para a Revolução de 30, que trouxe Getúlio Vargas ao poder.


Fonte: Livro Nunca Mais Coari: a fuga do Jurimáguas – Archipo Góes

Gregório José Maria Bene e a Mudança da Freguesia de Alvellos – 1855

A Cólera em Coari – 1991

Cobra Grande do Lago de Coari, no rio Amazonas — 2021

Projetos desenvolvidos em Coari resgatam a cultura popular

Está gostando ? Então compartilha:

6 comentários em “Deolindo Dantas – 1895”

  1. Pingback: Livro Boto Vermelho de Maraã - 2024 – Cultura Coariense

  2. Pingback: A Feira – Cultura Coariense

  3. Pingback: A Praça São Sebastião – Cultura Coariense

  4. Pingback: A Escola – Cultura Coariense

  5. Pingback: O Novenário de Santana – Cultura Coariense

  6. Pingback: História da Catedral de Santana e São Sebastião – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.