Search
Close this search box.

Gregório José Maria Bene e a Mudança da Freguesia de Alvellos – 1855

Gregório

Archipo Góes

Nesse texto vamos narrar a sagra do Frei italiano Gregório José Maria Bene em três missões diferentes no Brasil.

O principal personagem desse texto, chama-se Gregório José Maria de Bene (Giovanni Battista Morra). Religioso italiano da ordem dos Capuchinhos, tendo o título de Frei, que vem do latim “frater” e significa “irmão”. O título de frei é dado a um católico consagrado que pertence a uma congregação e segue suas regras e ideais. Durante o texto vamos ver sua participação da revolta em São José do Queimado, no Espírito Santos; sua atuação com os povos indígenas no Rio Negro e finalmente sua participação na mudança da freguesia de Alvellos para Coary.

Ele nasceu em 4 de junho de 1798, e chegou à América em 1844. Quando em suas viagens ao Rio de Janeiro, conheceu a também italiana Tereza Cristina, Imperatriz do Brasil. Eles desenvolveram uma amizade facilitada pela língua mãe e os projetos abolicionistas compartilhados por ambos.

A Revolta de Queimados

A Revolta de Queimados foi o primeiro e principal momento sobre as atividades do Frei Gregório José Maria Bene no Brasil que vamos narrar. O cenário ou palco foi a antiga região da freguesia de São José de Queimados, hoje distrito do município de Serra, no estado do Espírito Santo.

Gregório

Na freguesia de São José de Queimados se concentravam uma grande quantidade de engenhos e fazendas, em que a força de trabalho era a exploração da mão-de-obra dos escravizados afro-brasileiros. A região, na época, era considerada uma potência agrícola e econômica dos capixabas.

Gregório Bene era conhecido como defensor dos ideais de liberdade. Ele tinha interesse em construir uma igreja na região, e teria garantido a negociação das cartas de alforria com os donos de fazendas, em troca da construção do templo pelos escravizados. Há outros relatos de que o Gregório não teria garantido a alforria, e, sim, prometido interceder junto aos fazendeiros para obter a concessão da liberdade, e pedir a Imperatriz Tereza Cristina que colocassem São José de Queimados em seus projetos de abolição para o pagamento da indenização aos fazendeiros.

Foi encontrado nos relatos dos moradores da época, que o Frei realmente não admitia a escravidão e que teria estabelecido uma estreita ligação com os negros escravizados, o que preocupava e contrariava quem usava a mão de obra escrava para enriquecer.

Entre os anos de 1845 e 1849, ocorreram as obras de construção da Igreja. No primeiro domingo de agosto de 1845, houve o lançamento da pedra fundamental da Igreja de São José de Queimados. A cerimônia foi coordenada pelo Frei Gregório Bene que fez um discurso com objetivos de unir as forças político-econômicas e religiosas para a construção da igreja, contudo, contando com a mão de obra dos negros escravizados, que iniciavam seus serviços, após a jornada de trabalho nas fazendas.

Algumas reuniões aconteceram e as expectativas foram criadas por parte dos escravizados na esperança das sonhadas cartas de liberdade. No dia do padroeiro São José, 19 de março de 1849, data de inauguração da Igreja, aproximadamente 200 escravizados foram ao evento festivo. No entanto, nada do esperado aconteceu, o que provocou grande decepção e revolta nos negros presentes.

O Frei Bene não assumiu as promessas. E assim, deu-se início a grande batalha dos negros escravizados da região. Percorrendo as fazendas e os engenhos, exigiam as cartas de alforria antes prometidas. A polícia militar do estado entrou em ação para reprimir a Insurreição com o uso da força. A insurreição foi caracterizada por muita violência, especialmente na contenção, por parte da Polícia da Província, e durou 05 dias, até a prisão de seu principal líder, Eliziário Rangel. Sendo que a maioria dos escravizados foi brutalmente assassinada e seus corpos jogados na hoje chamada “Lagoa das Almas”.

No dia 30 de maio de 1849, aconteceu o julgamento dos revoltosos, resultando em 05 condenados à pena de morte, 25 condenações a açoites e 6 absolvições. Outros 05 morreram na cadeia por maus-tratos ou por doenças.

Frei Gregório Bene na Amazônia

Após o ocorrido, o frei Gregório José Maria Bene foi transferido para o Grão Pará. No ano seguinte, 1850, o Amazonas foi elevado à categoria de Província, acontecendo a sua tão esperada emancipação política.

Para amenizar a situação nas localidades isoladas no interior do Amazonas, o presidente da província, João Batista de Figueiredo Tenreiro Aranha, investiu na vinda de missionários, inicialmente da província do Pará. Vieram no primeiro momento, o Frei Carmelita José dos Santos Inocentes e o Frei Capuchinho Gregório José Maria de Bene.

Gregorio

Em 11 de fevereiro de 1852, a presidência da província criou a Missão dos rios Uaupés e Isana (afluentes do Rio Negro), confiando-a ao capuchinho italiano Gregório José Maria Bene. Na constituição das aldeias, Frei Gregório contou com o apoio de várias lideranças indígenas ou Tuxauas. Morava na sua pequena cabana isolada, que ficava numa ilhota do rio. Frei Gregório fundou 13 aldeias no rio Uaupés, uma no Papurí e outra no Tiquié. A população missionária era de 2.286 indivíduos e 163 casas habitadas e os habitantes pertenciam às etnias Chucuana, Tukano, Tariano, Juruá, Cainatary, Ananá (wanano), Cubeo, Bejú e Piratapuyo.

No ano de 1854, o agora Padre Gregório estava com 56 anos e foi quando pediu sua exoneração, sendo transferido para o rio Solimões, na freguesia de Alvellos (Coary). Sua aposentadoria marcou o início do declínio das missões capuchinhas, que até então contavam com apenas 03 missionários no Amazonas. No dia 1 de agosto de 1854, o Presidente da Província nomeia o Frei Gregório José Maria Bene a exercer as funções de Vigário na Freguesia de Alvellos no município de Coary, que foi separado de Tefé (Ega) em 1848.

Gregório
Freguesia de Alvelos

Em 1854, João Wilkens de Matos trouxe novas informações sobre a freguesia de Alvellos em seu Roteiro de Viagem:

“Já não havia mais índios bravos. Atualmente não habita horda alguma gentílica nos rios Coary, Urucu e Aruan, segundo informações de pessoas acostumadas a navegá-los para colherem castanhas de que muito abundam as suas margens. A freguesia de Alvellos incluía em seus domínios doze casas de palha, e uma população de 1.100 habitantes, dos quais, mais de dois terços habitavam em sítios longe da sede”.

“A posição em que está este Povoado não oferece proporções para o seu desenvolvimento; é açoitada de ventanias fortes, o solo é árido e a distância em que está da foz do rio dificulta o acesso, principalmente no tempo da seca, por haver uma cachoeira (corredeira) na parte mais estreita da baía, que só permite passagem a montarias”.

“Os habitantes de Alvellos estavam desejosos de criar outro povoado junto da foz do rio Coari, onde oferece outras proporções a sua prosperidade que não a atual situação. Em virtude de representação dos próprios moradores, foi a Presidência da Província autorizado por uma Lei Provincial promulgada de 30 de setembro de 1854 a transferir a Matriz da Freguesia para o lugar designado pela mesma Presidência, junto a foz do rio Coary, justamente aquele que se assenta hoje a cidade”.

O vigário, Gregório José Maria Bene mudou-se com os sinos da igreja, que se desmantelou, trouxe os seus poucos paramentos, engenhou uma capela na nova localidade (Coari Novo), e veio acompanhado de alguns de seus fregueses, que ou não tinham interesses enraizados na antiga povoação, ou compreenderam melhor as vantagens da mudança projetada e só em parte realizada.

A história perdoou Gregório Bene sobre a revolta de queimados, e ele veio finalizar sua vida trabalhando como missionário no Amazonas, fazendo a mudança da freguesia de Alvellos para a atual cidade de Coari.

Coari-AM, 3 de janeiro de 2023

Leia mais em:

A Cólera em Coari – 1991

Minhas Memórias da Festa da Banana – 1989 a 1991

Projetos desenvolvidos em Coari resgatam a cultura popular

Morre Joaquim Melo, o grande fomentador da cultura – 2023

Está gostando ? Então compartilha:

7 comentários em “Gregório José Maria Bene e a Mudança da Freguesia de Alvellos – 1855”

  1. Pingback: A história da promoção da saúde em Coari (1854 - 2004) – Cultura Coariense

  2. Pingback: Coari: avião cortou a cabeça de dois homens - 1971 – Cultura Coariense

  3. Pingback: Coari no Século XIX: um ensaio sobre a formação do povo coariense – Cultura Coariense

  4. Pingback: Padre Samuel Fritz - Uma Saga no Solimões – Cultura Coariense

  5. Pingback: Deolindo Dantas - 1895 – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.