Search
Close this search box.

O Vinho e a Outra Face – 2013

vinho

Archipo Góes

O vinho e a outra face é poema de Archipo Góes elaborado em versos livres, na qual, destaca os principais elementos do poema: o tema do amor, a complexidade do sentimento amoroso e a determinação do eu lírico.

O vinho estimula os desejos
Os Olhos procuram os sentimentos
O vinho entra pela boca
O amor entra pelos olhos

Devo está com o dobro de sua idade
Isso significa que possivelmente irei sofrer.
E mesmo assim
Ao ver seu ar de desafio e timidez
Reconheci que estava diante
Da minha outra face

Naquela noite de encontros e delírios
Percebi que as vozes que cantam o amor
Não conseguem expressar os meus sentimentos
De receios, cuidados e desejos.
Você é a síntese de tudo que quero para mim
E assim, te desejo em silêncio.

Quando dei por mim
Você já tinha se tornado
Minha mais ousada prioridade.
Vou te conquistar
Como quem sai pelo mundo
Em busca de seus sonhos
E assim construiremos
A nossa lenda de amor.

Coari-AM, dezembro de 2013

Análise do Poema:

O poema é dividido em quatro estrofes de seis versos cada. A primeira estrofe apresenta o cenário do encontro: um ambiente de intimidade e sensualidade, em que o vinho é um elemento central. O vinho é descrito como um elemento que estimula os desejos e que abre o caminho para o amor. A imagem do vinho é simbólica do amor, que é um sentimento que desperta os nossos desejos mais profundos.

A segunda estrofe apresenta o eu lírico, que se reconhece diante da outra pessoa. O eu lírico é um homem que está ciente da diferença de idade entre ele e a outra pessoa, mas que, mesmo assim, é atraído por ela. A imagem da outra pessoa é descrita como um desafio e como uma timidez. Essa imagem é simbólica da beleza e da pureza do amor.

A terceira estrofe apresenta o sentimento de amor que surge entre os dois amantes. O amor é descrito como um sentimento complexo, que envolve receios, cuidados e desejos. A imagem do amor é descrita como uma síntese de tudo o que o eu lírico quer para a sua vida. Essa imagem é simbólica da força e da importância do amor.

A quarta estrofe apresenta a decisão do eu lírico de conquistar a outra pessoa. O eu lírico está disposto a enfrentar os desafios que possam surgir, pois acredita que o amor é a sua mais ousada prioridade.

Alguns detalhes adicionais que podem ser observados no poema:

O uso de imagens sensoriais é um recurso importante no poema. As imagens do vinho, da boca, dos olhos e da pele contribuem para a criação de um clima de sensualidade e de mistério.

O uso de metáforas também é um recurso importante no poema. A metáfora do vinho como um estimulante do amor e a metáfora do amor como uma síntese de tudo o que o eu lírico quer para a sua vida contribuem para a riqueza e a complexidade do poema.

O poema termina com uma nota de esperança e de determinação. O eu lírico está disposto a enfrentar os desafios que possam surgir, pois acredita que o amor é a sua mais ousada prioridade. Essa nota de esperança é um elemento positivo que contribui para a beleza e a força do poema.

No geral, o poema “O Vinho e a Outra Face” é um poema bem escrito e bem construído. O poema explora o tema do amor de uma forma original e instigante.

Histórias esquecidas 01: Areal Souto

Cobra Grande do Lago de Coari, no rio Amazonas — 2021

O homem que escreveu sobre o palhaço e a rosa – 2018

Fátima Acris voltando do Miss Brasil 1968

Está gostando ? Então compartilha:

2 comentários em “O Vinho e a Outra Face – 2013”

  1. Pingback: Amazônia na Dança das Águas - Adal Amazônico - 2015 – Cultura Coariense

  2. Pingback: Folclore Coariense: uma visão de Coari - 1957 – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Archipo Góes Passamos agora a descrever a biografia de um importante líder político e comercial coariense. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Maria Higina
História
Archipo Góes

A Saga de Maria Higina em Terras Coarienses

A senhora Maria Hígina, uma mulher que estava a frente do seu tempo e viveu em Coari entre as décadas de 1960 e 1970. Foi prefeita do Trocaris, poetisa, cronista do Jornal do Comércio e seringalista.

Leia mais »
Adal
Músicas
Archipo Góes

Amazônia na Dança das Águas – Adal Amazônico – 2015

Amazônia na Dança das Águas é uma música composta no ano de 2015, na cidade de Coari, durante a maior cheia já registrada na região amazônica. Adal ao observar o fenômeno cíclico da natureza, em que as ruas de sua cidade natal estão tomadas pelas águas e os peixes nadando pelas vias públicas do centro de Coari, se inspira para compor uma das mais belas canções de seu repertório com temática amazônida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.