Search
Close this search box.

Y U R U P A R I

Coari

Antônio Cantanhede

Na época em o Padre Samuel Fritz fundou a povoação de Alvelos, desaparecida e conhecida no passado por Freguesia Velha, já existiam essas três ilhinhas fronteiras à cidade de Coari, as quais tem sua história bem curiosa. São como sentinelas vigilante esses minúsculos torrões cobertos da mataria verdejante, separando a outrora chamada “Enseada Funda” do lago de Coari.

Naquela fase, quando por ali andaram os jesuítas espanhóis a alargar os domínios pátrios, a entrada do grande Lago se fazia por IRAPEÇÁUA, apesar de a verdadeira ser TUMASSÁUA.

Era crença, entre os naturais, que uma cobra grande habitando TUMASSÁUA impedia que por aí se fizesse franca navegação, e depois, essa passagem, quase obstruída por tão grande animal, não tinha profundidade bastante de modo a franquear o transito das embarcações que, ao tempo, eram os barcos de vela.

O monstro, descendo o Rio Solimões para bater-se com a rival, em Óbidos, no baixo Amazonas, deixou seu leito secular, do que resultou ficar aberto o canal próprio, fechando-se a entrada por IRAPEÇAUA. Realmente, ainda se notam vestígios, nas cheias do rio, dessa passagem.

Era nas três ilhinhas que os índios muras, descendo de Alvelos e de outras passagens se reuniam, anualmente, para a realização de festa da tribo.

Os varões iam à caça e à pesca, ficando as fêmeas a tratar do asseio do terreiro e do preparo das bebidas fermentadas.

No grande dia ali se encontravam todos, trazendo cada qual sua contribuição, de caça, de peixe ou de frutos, para a festança. Começavam ao amanhecer os preparativos para as cerimônias de hábito. Sobre o braseiro erguia-se o moquém. Tudo preparado, reuniam a boia em um só lugar no meio do terreiro. Escolhiam-se os guardas, que ficavam de vigia à comezaina.

Dentre os presentes, um havia sido indicado, no ano anterior, para fazer o assalto ao terreiro. Ele se usava gancho ou anzol.

Chegada a hora previamente combinada para o seu reaparecimento, os companheiros, fingindo-se surpresos e amedrontados, começavam a gesticular e a gritar, em volta dos assados que guardavam. O diabo saltava no meio da guarda que se encontrava em círculo apertado. Hediondo e ameaçador, despreza a resistência oposta pelos guardas, e ensaia já dentro do círculo a sua dança diabólica, cantando:

Yurupari Ichê-icou…

Yurupari Ichê-icou…

Ao que a multidão respondia, em coro:

Caruçá!… Curuçá!…

I-manou… Imanou…

Trava-se, então, a luta, entre assaltantes e os defensores do terreiro. Estes, para se livrarem do anzol preso à cauda do diabo, vão alargando o grande círculo. Satanás, aproveitando-se da folga, fisga uma das peças dos assados e sai arrastando-a para outro local, onde é recebido pelas mulheres, que, com grandes manifestações de entusiasmo, louvam a habilidade do demônio. E assim continua a peleja, até completa mudança dos assados para esse outro local, suposta escolha do assaltante.

Por último, este fisga um dos vigias, que é levado poro onde já se encontra a maioria dos convidados, a comer e a beber.

Saudação geral acolhe o vencedor e a sua vitória, e os gritos atroam nos ares:

Yurupari…

Yuruparí…

Yurupari…

Denominação por que ficaram sendo conhecidas essas três ilhinhas interessantes, fronteiras à cidade de Coari.

NOTA: — COARI: O que está num buraco — (Cuára-|-i)

TUMASSÁUA: — Entrada, foz do rio, quando pelo lado de baixo; quando pelo lado de cima a entrado, é IRAPEÇÁUA. YURUPARI

ICHEI – ICOU: Sou eu estou virando diabo.
CURUÇA ! CURUÇA!

17 de novembro de 1963

Outras histórias do Amazonas: contos, lendas e narrativas / Antônio Cantanhede

Em 2016, em conversa com o Pintor e Poeta José Coelho Maciel, ele me contava da obra do Antônio Cantanhede, que esteve em várias cidades do Amazonas pesquisando, sintetizando as estórias de cada cidade. Contudo, onde ele não encontrava as fontes, usava as lendas do local ou se criava uma que muitas vezes, passava a ser reproduzida e repassada entre as gerações como se fosse fato histórico. – Archipo Góes

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.