Search
Close this search box.

Realismo Fantástico

Coari

José Coelho Maciel

Eu me imaginava no centro do Universo
Navegando anos-luz no espaço infinito
Entre estrelas galácticas
Como uma velha bruxa
Nas noites escuras
Do medievo mundo.

Telescopicamente, e visível a olho nu
Me via percorrendo o espaço sideral
Qual nave em astronáutica rota
A caminho de Júpiter.

Passei por muitas galáxias
Deslumbrado de tanta beleza
E grandiosidade incomensurável
Da Via Láctea de bilhões de estrelas.

Deparei muitas vezes com satélites artificiais,
Sondas e foguetes mandados da Terra
Para explorar os planetas do Sistema Solar.

Deparei outras tantas vezes
Com destroços e corpos de astronautas
Mortos na conquista do Espaço,
Entre granitos e meteoros.

Copérnico, Laplace, Galileu,
Newton, Einstein e Von Braun
Formavam constelações de primeira grandeza
Para a compreensão do Cosmo.

Astronaves cortavam velozmente a abóbada celeste
Em meio à luz brilhante das estrelas
E a poeira cósmica das galáxias
Para se abastecerem depois de longas viagens
Nas muitas estações de abastecimento e pernoite.

Enquanto isso, trabalhavam na Lua
Construindo pontes de contato com outros pontos
Já conquistados pelo avanço do homem.

JOSÉ COELHO MACIEL – Amazonense natural de Coari, nasceu em 02 de outubro de 1945. Muito cedo despertou para a arte plástica e a literatura. Artista plástico e poeta bissexto, desde 1963 tem colaborado na imprensa local (suplementos literários) com ilustrações, artigos, crônicas e poemas.

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Praça São Sebastião
Literatura
Archipo Góes

A Praça São Sebastião

O texto descreve a Praça São Sebastião em Coari como um local impregnado de memórias e eventos significativos para a comunidade local. Desde arraiais a marchas cívicas, procissões, gincanas e festas de carnaval, a praça foi o cenário de diversas atividades que marcaram a cultura coariense. Além disso, a presença de edifícios importantes como a Catedral, escolas e órgãos públicos ressaltam a relevância histórica do local. As lembranças nostálgicas do autor sobre a praça e seus arredores durante a década de 1980, incluindo detalhes culinários e encontros sociais, destacam a importância afetiva e cultural desse espaço na vida da comunidade.

Leia mais »
Feira
Literatura
Archipo Góes

A Feira

Texto de memórias de Manuella Dantas sobre suas lembranças de infâncias acerca da feira do produtor rural de Coari.

Leia mais »
Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Narraremos a biografia de Deolindo Dantas, um importante líder político e comercial da cidade Coari. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e um personagem lendário e polêmico na história de nossa cidade.

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.