Search
Close this search box.

Histórias de Boi-Bumbá – José Willace

Coari
Festival Folclórico de Coari – 1993

Vês, chegou a hora de meu povo balançar
Já faz tempo,
E agora nunca é tarde pra sonhar
Canta galera azul e branco,
Solta forte essa emoção
Boi Garantido,
Muita paz no coração

Vais, Boi-Bumbá Garantido,
Com tuas cores invade este chão
Vens lá da Grécia, Já virou tradição
Conta tuas estórias nativas
E encantas esta multidão
Mostrando tuas raízes,
Tua história paixão

Rei Minos,
Abriu a porta, sorriu
No labirinto, Minotauro surgiu
E ás sete moças, sacrifícios e dor
E no Egito o boi se venerou,
E aqui chegou
Bumba-meu-boi, eu sou Garantido
Eu sou bonito, eu sou povão
Te segura contrário tua sorte está em
Minhas mãos (levante as mãos)
Levante a mão,
Eu sou Garantido,
Eu sou orgulho da região
Garantido, Garantido, eterno campeão
És campeão

Coari – 1993

História de Boi-Bumbá – José Wyllace Cavalcanti

Está gostando ? Então compartilha:

1 comentário em “Histórias de Boi-Bumbá – José Willace”

  1. É inesquecível a memória e cenário remotos de Coari, o capítulo final da disputa sistemática, dos bumbás, Corre-Campo e Rei Garantido! Fato ocorrido, historicamente, no final da tarde de um dia 26 de junho de 1993! Após ser anunciado que o Corre-Campo, da escola João Vieira, no bairro do Itamaraty, mas que foi adotado por Chagas Aguiar, como seu ícone incontestável de guerra e garra, os torcedores do Bumbá Rei Garantido, da escola Progente, centro da cidade, com muitos torcedores no bairro de Tauá mirim, saíram dali, a dá início seu protesto por ter sido derrotado pelo boi periférico! Corre-Campo, imediatamente, e pela primeira vez, vencia o Garantido! Desde 1987 o Bumbá azul e branco, do Centro de Coari começou a se apresentar! Corre-Campo, desde 1986 surgiu no seio da escola João Vieira! Um com nome de boi de Parintins, o outro, com nome de boi de Manaus, mas nada de estranho, a prática está presente na história cultural dos bumbás do Amazonas! Não é proibido fundar Bumbá e batiza-lo com nome de outro na história do Amazonas! Mas bem, o protesto do Rei Garantido, por se ter perdido pela primeira ao Corre-Campo, foi grandioso e hemblematico! Teve palavrões de baixo calão, e um clone do boi Prata-Fina, fundado no início dos anos 40, por seu Ioiô, queimado na esquina da 5 de setembro com a 2 de agosto, bem em frente ao paço municipal! Muita revolta. Rei Garantido, até o festival de 1989 se chamava apenas do mesmo nome, sem o Rei na frente. Naquele festival, se tornará BI campeão, de modo muito Justo! Sempre chegou chegando, com um espetáculo inovador, bem elaborado, bem feito e bem arrumado! Seus brincantes bem ensaiados, a exaustão! Indumentárias, bem formuladas, bem ornadas, estampando sempre que possível seu azul e branco, sacro, de guerra! O Corre-Campo, do bairro, longe do Centro, vinha num espetáculo mais, digamos, pela visão dos torcedores derrotados em 1993, do Rei Garantido, chegava desalinhado, muito espalhafatoso, usando cores berrantes, desproporcionais…. resumindo, Corre-Campo, vinha pra brincar e suar! Por isso, a inovação do festival foi parar mesmo nas estampas do Bumbá azul e branco, do Centro da cidade ( mas não desse centro de hoje), e sim do centro dos anos 90. Naquele tempo a Praça ainda era Getúlio Vargas, e tinha até o chafariz azul, bem no centro da mesma! Pois bem, mas em 1993, enquanto o escurecer chegou mais rápido no centro, em vez do bairro de chagas, no leste da cidade, onde o sol nasce todos os dias, até hoje, os brincantes e torcedores do Corre-Campo, vivam momentos de extremo êxtase pelas ruas e vielas das Chagas! Era gente chorando, bebendo, gritando feliz da vida, pois o boi negro de Coari ( Corre-Campo era negro, Rei Garantido, branco), havia derrotado o rival do centro nada cidade!!! Teve passeata, teve o pajé, importado de Manaus, Fabiano Alencar, dos shows de bumbás tradicionais da Ponta Negra, subindo na marquise da escola estadual João Vieira, dançando e incorporando pra agitar aquela galera hiper feliz por ostentar o título do festival de 1993!!! Teve de um tudo naquele final de tarde! Tanto de um lado quanto de outro da cidade a história cultural de Coari estava em processo de construção. E a música, bela letra e música, apresentada aqui , contava um pouco do enredo do Rei Garantido daquele ano, História de Boi! E o Corre-Campo, que vinha de duas derrotas, sofridas nós festivais de 88 e 89, trouxe um tema um tanto genérico: Cultura Indígena, mas que por ter vendido, pareceu agradar ao olhar do júri a época! Depois desse dia negro aos torcedores azuis de Coari, a promessa foi de jamais retornar a quadra da Escola Estadual D. Mário, onde foi realizado o festival folclórico de 1993, pra disputar com o boi negro das Chagas, e assim a cumprem até hoje! Enquanto isso, o Corre-Campo, que não fez promessa alguma, era visto, aqui e acolá, se enxirindo, pelas ruas e quadras de seu bairro, ostentando, até hoje, o título de campeão!!!! Essa música, ao ser ouvida, nós faz lembrar de todas essas lembranças….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.