Search
Close this search box.

Havia Disputa de Futebol entre o Comercial e o Ipiranga

Coari

Nas Tarde de Domingo. Havia Disputa de Futebol entre o Comercial e o Ipiranga. Alguns “Craques” daqueles tempos.

Francisco Vasconcelos

Em meu Coari de outrora, sequer faltavam times de futebol para as partidas de fins de semanas. Valho-me, aqui, dentre outras fontes, da incrível memória de Raimundo Mota, nos seus mais de oitenta anos, para lembrar alguns nomes dos que integravam as aguerridas equipes do Comercial e do Ipiranga Futebol Clube, legendas que empolgavam a pequenina cidade.

A sede do Comercial era na casa de Teófilo Veras, Presidente do Clube. Integravam a equipe, da qual Mota era o “capitão”, dentre outros, Periquiteira, Zé Guariba, Índio, Sabbá Cama, Dedeu, Alvelos, Jacó, Munir, Azize, Alexandre Moraes …

O Ipiranga, time pelo qual eu torcia, empolgado pela força do chute de Orlando (Orlando Nazaré), famoso “beque”, tinha sua sede na casa dos Grim, e foi um dia de glória para os torcedores aquele em que Hilda, bela loira, fora eleita a Rainha do time. Hilda viria a casar-se com João Maquinista, um dos Soares da Fonseca e, também, um dos craques da época. Da equipe do Ipiranga, destacavam-se Gonçalo (goleiro), Airton, Orlando e Chaga Borracha; Miguelzinho, Manoel Pacheco e Mazinho Caiá; Yoyô, Lino, Ávila (Bodinho) Tetéo e João Maquinista.

É possível que, ao relembrar os atletas, tenha cometido algum engano. Finalmente, da época a que me refiro, já se passaram bem mais que cinco décadas, razão pela qual me parece justificável que alguma troca de nomes possa ter ocorrido. Devo registrar, também, que foi de João Maquinista (João Soares da Fonseca), famoso ponta-esquerda do Ipiranga, que obtive a maior parte das informações relativas a seu time, cujo Presidente era o Agente da Estatística Aretiano Firmino Boáes e, técnico, ninguém menos que o famoso Zequinha da Liberata.

Coari
Foto de uma equipe de futebol coariense em janeiro/68 – Acervo Roosevelt Almeida do Nascimento

Está gostando ? Então compartilha:

1 comentário em “Havia Disputa de Futebol entre o Comercial e o Ipiranga”

  1. Meu pai, Severo, é meus tios, Orlando e Nazinho, jogavam no “Piranga” como chamava o Sr. Sadala, pai do Elias. Muitas histórias me foram contadas por minha mãe…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.