O Acidente do Avião PT-BUK em Coari

Excerto do livro “A História de Coari” de Archipo Góes

O Acidente do Avião PT-BUK

O fato que vou começar a relatar aconteceu no dia 25 de novembro de 1962, Era domingo as 16h, e havia uma partida sendo disputada no campo de futebol em frente da cidade (hoje seria o Mercado Municipal Clemente Vieira).

Era no período da estiagem e a praia da frente da cidade estava totalmente exposta. Jogaram dezenas de papeis com mensagens na praia e no campo de futebol. Algumas pessoas pegaram os papeis para ler, e nos bilhetes a tripulação solicitava desesperadamente que pelo amor de Deus, saíssem do campo, pois eles estavam com problema na aeronave e precisavam pousar. As pessoas foram conscientes e saíram da área central do campo, aguardando o que poderia acontecer.

No final da praia, o piloto fez uma curva espetaculosa e virou em sentindo perpendicular, em direção ao campo de futebol, fez outra pequena levantada de voo para não bater na primeira trave do campo. Na sequência, o avião percorreu todo o campo freando os pneus, rasgando a grama de fundo a fundo, e foi nesse momento que um tripulante se jogou no meio do campo, enquanto o avião seguia até a segunda trave.

Na sequência, a aeronave deu uma pequena guinada para a direita para desviar da mesma. Porém, com isso, ele bateu em 02 vigas de madeiras gigantes, que o Pe Marcos e o Chico Doido estavam guardando para ajudar compor a ponte que atravessava o igarapé do Espírito Santo (ligaria o Centro ao bairro de Chagas Aguiar), e com isso, o avião acelerou para frente atingindo a casa (de alvenaria) do Sr. Miguel Simão, na parte de trás e a cerca do quintal, libertando algumas galinhas que foram em direção a região da Matinha.

Quando o avião bateu na casa finalmente e parou, começou a lançar muita fumaça. O tripulante que pulou no meio do campo gritava apavoradamente: “pelo amor de Deus, onde estamos? estamos no Brasil?

A aeronave continuava fumaçando e foi quando a população começou a se aproximar. Alguém começou a grita: “Vai explodir !!!” e todos começaram a correr se afastado da região do acidente.

E foi nesse momento que surge alguém com grande atitude heroica, o saudoso Pe. Marcos, que enrola a sua batina, adentra na aeronave e sai com o piloto desmaiado e outros três tripulantes. Com o fato, a população vibra e aplaude a cena. A partir daquele momento, foi só festa. O avião passou a ser ponto turístico, local para misses e os jovens tirarem fotos, até ser embarcado e levado por balsa para Manaus.

Dias mais tarde, a tripulação do avião foi entrevistada pela “A Voz Coariense”, um serviço de alto falantes da cidade. Na oportunidade explicaram que, por problemas na bússola, perderam a rota e, como estavam com pouco combustível, já haviam decidido pousar na selva, quando avistaram longe, no meio do grande verde, uma área avermelhada e foram nessa direção. Eles tinham avistado as nossas Barreiras. Foram averiguar e chegaram em Coari. A tripulação agradeceu ao Pe. Marcos e ao povo de Coari.

3 comentários em “O Acidente do Avião PT-BUK em Coari”

  1. Eu gostaria de saber como foi o acidente com outro avião, pertencente a Prelazia, que aconteceu em 1971 e matou o piloto Edno.
    Obrigado.

  2. Quantas história a memória da cidade guarda.
    Sempre é válido apresentar esses momentos que ficam nos bastidores da tragetória da cidade de Coari de outras épocas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 4 =