Search
Close this search box.

O Tacho – Lenda Coariense 3

Tacho de Ouro

Antônio Cantanhede

A lenda “O Tacho” sintetizada e narrada por Antônio Cantanhede descreve mais um episódio da eterna busca do ouro pela Amazônia e agora em cenário coariense.

Tacho de Ouro

Nos tempos em que a religião católica romana predominava, era crença geral que as mais vultosas fortunas fossem privilégio dos ministros do Padre Eterno, entre os mortais, e assim, não raro criavam-se lendas, em volta de qualquer agrupamento dos missionários de antanho.

Fala-se, na cidade de Coari, não como lenda, mas como verdade incontestável, na existência de um grande tacho cheio de ouro, imerso no lamaçal do leito de um igarapezinho que deságua no lago de Coari.

Referem historiadores do Amazonas que, depois do Padre Samuel Fritz, austríaco de nascimento, outros missionários espanhóis foram-se acomodando pelo rio Solimões, com o objetivo muito louvável, nesse século de conquista, de alargar os já imensos domínios de sua Majestade Católica de Espanha.

Fundaram eles muitas missões, com o auxílio do elemento indígena, que iam chamando à civilização e incutindo-lhes no ânimo seus credos religiosos. Assim, os Catauxis, Muras, Jumas, Jurimáguas e outros, pelo efeito de adaptação aos costumes dos catequistas, em breve se transformaram em eficientes elementos de combate, em prol dos esforçados evangelizadores.

Com os aldeamentos, alargavam-se as já vastas ocupações territoriais dos espanhóis, no Solimões, sendo a sede de suas missões no lago de Coari, a aldeia denominada Alvelos, hoje conhecida por Freguesia Velha.

Sempre ciumento de suas terras na América, Portugal não vira com bons olhos a intromissão daquela gente em seus domínios, e assim, a luta, entre lusos e castelhanos chegara até ali, dando lugar a que ora Alvelos estivesse em poder dos missionários espanhóis,  ora sob o domínio das forças armadas de Portugal.

Daí as precauções tomadas por aqueles na guarda dos seus haveres. Tinham os depósitos de dinheiro que, nesses belos tempos, era em ouro cunhado ou em barras, em local distante e acima da povoação. Possuíam, ao que se acreditava, grandes somas, verdadeiros tesouros, acumulados por longos anos em suas excursões pelo nordeste da terra brasileira, então objeto da cobiça dos holandeses, dali expulsos pelo governo de Portugal.

Mas, por volta de 1710 dava-se a expulsão dos espanhóis, das missões do baixo Solimões e foi naturalmente, por essa época que, temendo ver caírem seus grandes haveres em poder dos portugueses, que os podiam colher de surpresa, utilizaram-se do falado tacho, e cheio este de ouro e bem fechado, fora lançado ao leito desse igarapé, que ficou sendo conhecido por igarapé do Tacho.

Os naturais, em muito pequeno número, que assistiram a essa manobra dos jesuítas, não tentaram dali retirar o precioso tesouro porque aqueles padres fizeram-nos crer que tê-lo deixado entregue à guarda de uma cobra-grande, tradicionalmente conhecida dos aborígenes por GUARIBA. Entretanto, quando algum audacioso se aproximando do local fazia tentativas para retirar o tacho, tempestuosas ventanias desabavam na região, intimidando o aventureiro, que desistia da empresa. Se em época invernosa, acompanhava-se a tempestade do esturrar do tiri-tirí-manha.

Pelo verão, o leito do igarapé fica a descoberto, mas, ao avizinhar do aventureiro, abrem-se as  nascentes das águas e em pouco tempo o lamaçal se  cobre de água corrente, do que tem resultado não mais se fazerem tentativas, conforme afirmam os naturais daquelas bandas, para a emersão desse tesouro, real ou imaginário, que dizem existir no igarapé do Tacho, poucas milhas distante da cidade de Coari.

NOTA: Tiri-tirí-manha ou Dirim-dirim-manha: Mãe do terremoto, da tempestade. Apelido de uma espécie de jacaré, que tem a cauda bipartida e é muito barulhento.

O Padre Samuel Fritz faleceu em Quito – Peru, aos 74 anos, em março de 1728.

Leia mais em:

Toadas do Boi Corre Campo – Coari – 1993

Cleomara vence o Miss Amazonas em 1992

Cobra Grande do Lago de Coari, no rio Amazonas

Está gostando ? Então compartilha:

3 comentários em “O Tacho – Lenda Coariense 3”

  1. Desde que chegaram, os homens brancos buscam ouro na região amazônica, como vemos atualmente no rio Madeira. Essa lenda instiga a imaginação de quem a lê. Será que ainda há algum tacho perdido nas regiões isoladas no lago de Coari?

  2. Pingback: Professor Góes — 50 anos de dedicação a Coary – Cultura Coariense

  3. Pingback: Toadas do Boi Corre Campo - Coari - 1993 – Cultura Coariense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.