Search
Close this search box.

As Cidades Discutem

 ALEXANDRE MONTORIL

MANAUS —
Sou a cidade mais bela
Em toda região do Norte
– E você Coari singela
Me dá pena sua sorte
Sou única com meu teatro
E pontes maravilhosas
Tenho ruas asfaltadas
E praças ajardinadas!

COARI —
Você tem pena de mim
Manaus, faceira e vaidosa.
Por me ver tão pobre assim?
Não seja tão cavilosa
Pois você foi como eu sou
Ou talvez ainda pior:
– Está velha e eu sou menina
– Tenho fé na minha sina.

MANAUS —
Sim sou velha – fiz cem anos
Foi erguido um monumento
Mas não sofro os desenganos
Que fazem o seu tormento
Suas ruas estão no mato
E não tem nenhum cinema
E um Trapiche que existiu
– Um prefeito o destruiu

COARI —
Já que fez esse relato
Que negar não se admite
Eu pergunto: foi exato,
Destruído a dinamite
O palácio do governo
Lá no alto da Avenida,
Quando estava em construção.
– Em tempos que longe vão?!

MANAUS —
Sim: onde é o Instituto
(Por sinal) de Educação;
Eu me lembro, botei luto
E chorei de compulsão;
Mas agora, é diferente
Não existe ‘marmelada’:
– Os governos são sensatos
E valem pelos seus atos.

COARI —
Parabéns, Manaus augusta.
(Cada um sabe o que sente)
Você vive à nossa custa
Por isso, anda contente
Nos devolva o nosso imposto
O da nossa produção;
Pois só assim se redime
Você de tão grande crime!

MANAUS —
Tire da mente essa ideia
Não me faça esse juízo
Acuse sim, à Assembleia
Pois ela é responsável
Pelos erros do governo!
– Derrubaram sem critério.
O projeto do Valério!

COARI —
Aceito, só por princípio
Que você tenha razão;
Mas um dia o Município
Terá a sua redenção.
E as cidades do interior
Deste Amazonas, gigante.
Deixarão de ser o caos
E serão outras Manaus!

Manaus – 19/12/1959

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Garantianos
Folclore
Archipo Góes

Correcampenses x Garantianos

A crônica Correcampenses x Garantianos, narra a rivalidade entre os bois-bumbás Corre-Campo e Garantido em Coari, marcada por brigas e um episódio de violência em 1989. A retomada do festival em 1993 e a vitória do Corre-Campo geraram reações distintas. A crônica reflete sobre a polarização social, a cultura popular como identidade local e a importância da tolerância para a harmonia.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

Um dia de Santana em Coari em uma Igreja Ministerial

O texto narra a vivência da festa da padroeira de Coari, retratando a devoção à Santana, a padroeira da cidade, e a importância da fé para o povo local. A narrativa destaca a movimentação do porto, a participação dos trabalhadores da castanha, a procissão, a missa e o arraial, revelando a religiosidade popular e a cultura local. A história do patrão e dos trabalhadores da castanha ilustra a exploração do trabalho na região, enquanto a presença do bispo e dos padres reforça o papel da Igreja Católica na comunidade. O texto termina com a reflexão sobre a fé, a esperança e a importância da preservação da tradição.

Leia mais »
Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.