Saga Ribeirinha

Alex Alves

 

 

 

 

 

 

Entra ano e sai ano
Sempre é o mesmo rojão
Trabalho diuturnamente
Faço minha plantação

 

Planto juta, planto malva,
Maniva e até feijão
Não esqueço do jerimum,
Melancia e do melão

São meses de labuta
É trabalho fatigante
Só sabe quem o faz
O quanto é estressante

 

Quando chega o mês de março
Começa a preocupação
Façamos um ajuri
Pra colher a plantação
Pois é tempo de enchente
Se não agirmos depressa
Poderemos ficar na mão

 

As águas cobrem a terra
Deixando-nos acuados
Nas pontas de terra firme
Ficamos todos ilhados
Rezando que as águas baixem
Pra voltarmos pro tapiri
Nosso palácio encantado.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − quinze =