Search
Close this search box.

Helena – Zemaria Pinto

Helena

Texto de Zemaria Pinto sobre uma paixão chamada Helena em Coari.

Numa de minhas idas a Coari, sempre por motivos profissionais, conheci Helena – noiva de um colega de trabalho, gerente da agência local. Na metade da terceira década de vida, Helena era uma noiva temporã. Naquela época, no interior, as moças com mais de 20 anos entravam direto no caritó, de onde não retornavam, condenadas a eternas tias. Helena era alegre, vibrante, espontânea e não ligava muito para essa possibilidade.

O casamento não era sua meta: professora da rede pública, estava sempre estudando, aperfeiçoando-se, obstinada por conhecimento. O noivo, militante de um partido clandestino, cumpria um “degredo” por suas ações políticas explícitas. Não deve ter sido difícil apaixonar-se pela doce Helena, uma mulher moderna, mas com aquele indescritível e encantador bucolismo das moças interioranas, um ritmo de vida ao sabor dos ventos que embalam as correntes dos rios amazônicos.

Minha cultura de almanaque deve ter despertado a atenção de Helena, em meio a intermináveis discussões sobre ditadura, tortura, guerrilha, exílio, assuntos que me entediavam e dos quais fugia falando sobre qualquer outro tema. Numa tarde chuvosa de março, a voz de Helena ao telefone convida-me a conversar – viera fazer um curso e estava se sentindo muito só.

Pequena, magra, a pele de leite, os olhos azuis, claríssimos e inquietos, os cabelos de íntegra negridão – e as sardas distribuídas com exuberância e harmonia por todo o corpo – faziam de Helena uma beleza em mutação, variando de acordo com a luz ou com a hora do dia. O prazer com Helena era dobrado: ela aprendia e ensinava. Veio o casamento, a primeira gravidez, uma transferência, outra gravidez. Em mim, ficou-me apenas a lembrança primordial daquela tarde chuvosa, lembrança das cores de Helena, da beleza transfigurada de Helena, da permanente inquietude da doce Helena.

helena

Leia mais em:

Cobra Grande do Lago de Coari, no rio Amazonas — 2021

A Lenda Coariense do Caripira – 004

Eleitorado Macabro

Projetos desenvolvidos em Coari resgatam a cultura popular

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Archipo Góes Passamos agora a descrever a biografia de um importante líder político e comercial coariense. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Maria Higina
História
Archipo Góes

A Saga de Maria Higina em Terras Coarienses

A senhora Maria Hígina, uma mulher que estava a frente do seu tempo e viveu em Coari entre as décadas de 1960 e 1970. Foi prefeita do Trocaris, poetisa, cronista do Jornal do Comércio e seringalista.

Leia mais »
Adal
Músicas
Archipo Góes

Amazônia na Dança das Águas – Adal Amazônico – 2015

Amazônia na Dança das Águas é uma música composta no ano de 2015, na cidade de Coari, durante a maior cheia já registrada na região amazônica. Adal ao observar o fenômeno cíclico da natureza, em que as ruas de sua cidade natal estão tomadas pelas águas e os peixes nadando pelas vias públicas do centro de Coari, se inspira para compor uma das mais belas canções de seu repertório com temática amazônida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.