Search
Close this search box.

O trágico naufrágio acontecido em Coari – 1926

Eros Divino Maia Alfaia
Blog: A Missão

O Naufrágio do Vapor Paes de Carvalho no ano de 1926

Ilustração de capa, da Revista regional do Amazonas de 1926, “Redempção”, lançada em março daquele ano apresentando a tragédia fluvial do Vapor Paes de Carvalho. A ilustração foi baseada nos relatos, tanto dos passageiros sobreviventes quanto dos habitantes do Camará.

Os pacatos moradores do Distrito do Camará, o primeiro da Vila de Coari, no rio Solimões, não acreditavam no que viam durante aquela fria madrugada de inverno amazônico… Era 22 de março de 1926.

Numa distância de cerca de cem metros da margem, o navio vapor, Paes de Carvalho, vindo de uma longa viagem, iniciada há semanas atrás, na cidade de Belém do Pará, é consumido pelas chamas famintas de um incêndio infernal! Inimaginável.

Ilustração do rio Solimões, da localização da comunidade do Camará e do local de naufrágio do Paes de Carvalho no meio do rio Solimões. Revista Redempção,  março de 1926.

Mas aquele povo do Camará teve que agir rápido, pois havia muita gente viva, ou lutando pra sobreviver, nas águas agitadas do rio.

O desespero tomou conta de muitos. Não restava outra saída, a não ser pular nas águas do Solimões! Foi o que muitos a bordo do navio fizeram. Ou pelo menos, os que conseguiram, pois muitos, findaram carbonizados. Homens, mulheres e crianças… Muitos índios, caboclos e nordestinos, muitos nordestinos. Mas na primeira classe havia gente graúda, rica, de boa família do Estado.

O Capitão José Ribeiro da Silva era uma personalidade no cenário político da Vila de Coari a época, estava a bordo do Paes de Carvalho, mas não conseguiu sobrevier.

Os conhecidos moradores da Vila de Coari, Sebastião Salignac e o Capitão da Guarda, José Ribeiro da Silva, viajavam na primeira classe também. Dos dois, só o primeiro conseguiu, a nado, chegar à terra. O Capitão Silva deixou viúva e filhos à ocasião, infelizmente. 

Aquela gente do Camará, pegou suas canoas e batelões, foram ao confronto, do rio e do naufrágio terrível e infernal, ao desafio de salvar vidas! Havia vários tipos de vidas a bordo, pois, além dos humanos que viajavam, cargas vivas eram transportadas também! Equinos, bovinos, suínos e aves. Todos misturados aos pobres e desassistidos passageiros de terceira classe! Em geral, índios e nordestinos. 

Às três horas e quarentena e cinco minutos, aquele inferno todo havia começado, com uma explosão na popa do Vapor! Por ser madrugada, a grande maioria dos passageiros dormia e, sonhava com a chegada a uma nova oportunidade, ou a sua Villa de destino. Logo estariam no porto do sobrado dos Dantas, na velha Villa! Ainda daria tempo de ir até a Praça Péricles de Moraes pra comprar algumas castanhas e outras guloseimas pra seguir viagem. Bastava atravessar a ponte do igarapé de São Pedro. Mas  jamais chegariam a Villa naquela madrugada.

O Comandante do Vapor, João de Deus Cabral dos Anjos, também se tornou uma vítima do naufrágio fatal.

A viagem, a muitos, havia iniciado em Belém, porém só findaria em Cruzeiro do Sul, no Acre. Eram muitos nordestinos sem rumo, em busca de ficar rico com a ilusão do fatídico final do período áureo da borracha, que já tinha dado o que tinha que dá. Foi um acidente fatídico, sem medidas, apesar de que, o vapor vinha abarrotado de combustível: líquido e pólvora! Uma verdadeira bomba relógio!

Disseram que havia 150 almas a bordo, mas naquele tempo, assim como hoje, já havia negligências! E o lucro também.

Enquanto o Paes de Carvalho subia, o Índio do Brasil baixava, estavam há apenas  uma hora de se cruzarem, logo após a ilha da Botija… Ambos, os vapores, eram de uma mesma firma de navegação, uma firma inglesa.

Mas quando o Índio do Brasil se aproximava da beira, no lugar do Camará, viu um movimento mais do que fora de ordem àquela hora da manhã. Dia clareando, cheiro de fumaça no ar, mais gente do que o normal pela beira. Gritos, choros, angustia, muitos agasalhados com lençóis do povo da comunidade. A gente do Camará explicou que o Paes de Carvalho explodiu, próximo a ilha da Botija, baixou e afundou exatamente em frente a comunidade.

O professor Rubem Dário Lisboa Lima, ajudou a salvar três pessoas que ficaram a deriva no rio. Foi uma das testemunhas do acidente fluvial. Lecionava no Camará na época.

Tentaram salvar os que poderam, mas muita gente de Coari, Tefé, Belém, Manaus e do Acre, tiveram seu fim ali mesmo. Até  mesmo os arigós, naquelas águas, ou no fogo medonho da madrugada.

O Índio não encontrou mais o Paes, muito menos João de Deus, o comandante do Vapor, que deixou uma viúva  e nove filhos em Belém. Assim como tantos outros e outras também deixaram. O povo do Camará nunca esqueceu dessa história. Através dela, a comunidade ficou famosa, em jornais e revistas, de toda a região amazônica, e até do país! Tão cedo não seria esquecida. 

Por muitas e muitas gerações, os moradores repassaram o ocorrido a seus filhos, netos e bisnetos. Foi um fato que uniu gerações, por décadas, através da história oral. Se tornou o maior causo já ocorrido com aquela gente que ali vivia. Mas, após mais de noventa anos decorridos, o fato foi sendo esquecido, outros acidentes fluviais foram tomando a memória das novas gerações, da modernidade… Porém, os que buscarem no hoje, informações precisas sobre tal acontecimento, vão se deparar com um desfecho apresentado pela mídia daquela época, no mínimo, injusto, e até certo ponto pretensioso.

Naufrágio em Coari
Uma foto do Vapor Paes de Carvalho, navegando pelas águas do rio Solimões, por ocasião de outra viagem, diferente do naufrágio terrível.

Os jornais deram notícias de que, o incêndio, começou com as cinzas do fumo de uma passageira idosa, da terceira classe. Acordou de madrugada, com vontade de fumar seu cachimbo, e assim, uma fagulha chegou até os barris de pólvora!

Quer dizer, a corda arrebentou pra uma mulher, cabocla, pobre, idosa, tabagista, culpada por terem entupido o vapor com combustível, e por terem ultrapassado a lotação máxima da embarcação. Sempre foi assim.

Referência 

Revista Redempção, março de 1926. Centro Cultural dos Povos da Amazônia – Revista Redempção 1926
História oral do município de Coari: Voz de seu Ary Dantas Alfaia
Látex – Romance de Marco Adolfs sobre a tragédia do Vapor Paes de Carvalho/ Manaus – Editora Uirapuru 2004.

Fonte: Eros Divino Maia Alfaia – Blog: A Missão

Está gostando ? Então compartilha:

7 comentários em “O trágico naufrágio acontecido em Coari – 1926”

  1. Estudei do primário ao nível superior completo , trabalhei por 34 anos na área de educação em Coari, é a primeira vez que tenho conhecimento detalhado desse fato interessante na história do município.

  2. Muito interessante essa história, não fazia ideia de que isso teria acontecido aqui na nossa amada cidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Praça São Sebastião
Literatura
Archipo Góes

A Praça São Sebastião

O texto descreve a Praça São Sebastião em Coari como um local impregnado de memórias e eventos significativos para a comunidade local. Desde arraiais a marchas cívicas, procissões, gincanas e festas de carnaval, a praça foi o cenário de diversas atividades que marcaram a cultura coariense. Além disso, a presença de edifícios importantes como a Catedral, escolas e órgãos públicos ressaltam a relevância histórica do local. As lembranças nostálgicas do autor sobre a praça e seus arredores durante a década de 1980, incluindo detalhes culinários e encontros sociais, destacam a importância afetiva e cultural desse espaço na vida da comunidade.

Leia mais »
Feira
Literatura
Archipo Góes

A Feira

Texto de memórias de Manuella Dantas sobre suas lembranças de infâncias acerca da feira do produtor rural de Coari.

Leia mais »
Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Narraremos a biografia de Deolindo Dantas, um importante líder político e comercial da cidade Coari. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e um personagem lendário e polêmico na história de nossa cidade.

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.