Search
Close this search box.

História da Catedral de Coari — 1910

Catedral Coari

Archipo Góes

Nesse artigo, apresentaremos a história e fatos para contextualizar a edificação da Catedral de Coari.

Catedral Coari

Em 1910, o município de Coary possuia uma Comarca[1] e os seus 05 distritos: A vila de Coary, o distrito do Barro Alto, distrito de Camará, distrito de Itapéua e distrito de Piorini. A população no final da primeira década do século XX era de 11.000 mil habitantes e 295 eleitores[2]. A Superintendência Municipal (Prefeitura) era presidida pelo Coronel Lucas de Oliveira Pinheiro.

A atual igreja matriz de Coari foi inaugurada em 1910 pelo Padre Víctor Merino, que trabalhou em Coari entre os anos de 1906 a 1910. Ela possui estilo arquitetônico espanhol e na época possuía apenas a nave central.

Em 13 de julho de 1963, foi erigida a Prelazia de Coari pelo Papa Paulo VI através da Bula Ad Christi. Contudo, a prelazia só foi instalada em 11 de março de 1964 numa celebração feita pelo bispo de Manaus, Dom João de Souza Lima, que entregou a prelazia aos missionários Redentoristas que já atuavam nessa região e também em Codajás e Manacapuru. O primeiro bispo prelatício foi o americano, Dom Mário Robert Emmet Anglim, que foi escolhido no dia 25 de abril de 1964 também pelo Papa Paulo VI.

Início da obra de ampliação da igreja matriz de Coari

Pe. Alyrio Lima dos Santos
Pe. Alyrio Lima dos Santos em 2012

O Pe. Alyrio Lima dos Santos (Padre Lima — 19/12/1931 a 12/07/1913) missionou o evangelho em Coari entre 1958 e 1962, após isso, viajou para fazer um curso de direito canônico e alguns pequenos cursos de arquitetura em viagem a Roma ente os anos de 1962 a 1964. Ao voltar ao Amazonas em 1964, foi designado pelo bispo Dom Mário para ser seu vigário geral e diretor da direção da Rádio Educação Rural de Coari. Contudo, sua mais difícil e ousada missão, foi projetar e coordenar a ampliação da igreja matriz da Paróquia de Coari, sede da prelazia, sendo construída 02 naves laterais e dando esse aspecto suntuoso e imponente a edificação.

Pe. Lima explicava aos paroquianos que independentemente de onde você estivesse, na nave central, nave direita ou esquerda, poderiam assistir à celebração do padre sem empecilhos. Deu-se início às obras e a partir daquele momento, as missas, batizados, casamentos etc foram realizados no prédio da paróquia, que mais tarde, seria conhecido como Centro Dom Mário.

Catedral Coari
Projeto de Ampliação da Catedral

Sagração da Catedral de Coari

Catedral Coari
Ampliação da Catedral de Coari

Era uma segunda-feira, dia 26 de julho de 1971, data essa, que também inicia os festejos de Sant’Ana, gloriosa padroeira de Coari e cujas solenidades foi ponto alto a grandiosa cerimônia de sagração da Catedral Prelatícia de Coari. A antiga sede paroquial, dedicada a São Sebastião e a Sant´Ana conjuntamente, foi inteiramente remodelada e ampliada, tornando-se um belo e grandioso templo que é uma afirmação de fé do povo coariense, tanto como clássica dedicação e zelo dos padres Redentoristas.

Catedral Coari
Ampliação da Catedral de Coari

A convite do primeiro Bispo Prelado de Coari, Dom Mário, o arcebispo metropolitano Dom João de Sousa Lima chegou à cidade de Coari no avião particular da prelazia para participar da grandiosa cerimônia e fez uma recomendação ao povo de Coari:

E falando de Igreja Catedral, não resistimos ao estímulo do próprio assunto para registrar um augúrio de caráter cultural religioso. É este: oxalá os católicos da Prelazia de Coari honrem imediatamente a sua cultura religiosa habituando se a designar a sua principal igreja com o título que ela merece, de Catedral! Catedral Prelatícia, pois lá estará a CÁTEDRA de onde o Bispo ensinará a doutrina cristã contida na Escritura Sagrada e sobretudo nos Evangelhos. E não adquiram o costume sem qualificativo do povo de Manaus, quase na sua maioria que teima em diminuir a sua Catedral Metropolitana chamando de matriz simplesmente.

A Catedral de Coari foi assim revitalizada na gestão de Dom Mario Robert Emmet Anglin, bispo da prelazia de Coari e destaca-se por possuir a torre mais alta das igrejas do Solimões.

Moção de Júbilo

Em Coari, sede da Prelazia do mesmo nome, o povo vive, hoje, um dos maiores dias do seu calendário religioso. A antiga matriz paroquial de Santana e São Sebastião, hoje será sagrada Catedral Prelatícia, durante as festividades da gloriosa Padroeira. Do Cônego Walter Gonçalves Nogueira, um dos poucos sacerdotes coarienses, ao Exmo. Sr. Dom Mário Roberto Emett Anglin, Prelado de Coari, recebeu a Moção de Júbilo que ora transcrevemos.

“Excelentíssimo Senhor Bispo

Por ocasião da festa de Santana, gloriosa Padroeira de Coari, e quando se consagra a sua Catedral Prelatícia, o último dos filhos dessa terra em importância e o primeiro em ufania, felicita jubilosamente Vossa Excelência e, na sua pessoa, todo o Revmo. Clero e Religiosas da Prelazia de Coari, assim como o povo generoso e bom ao qual se associa com honra e alegria, nesta hora refulgente.

Queira abençoar-me, em Cristo Jesus.

Mui respeitosamente,

Cônego Walter G. Nogueira.”

Excerto do livro “A História de Coari” de Archipo Góes – 2021


[1] Corresponde ao território onde o juiz de primeiro grau irá exercer sua jurisdição e pode abranger um ou mais municípios.

[2] Nessa época só votavam homens alfabetizados com mais de 21 anos e que comprovassem posse, os religiosos e os militares).

Leia também:

A Chegada dos Padres Redentoristas em Coari – 1943

Villa de Coary, 2 de Dezembro de 1874 – Fragmentos da Origem da Villa e da Cidade de Coari-Am

A história da promoção da saúde em Coari (1854 – 2004)

Está gostando ? Então compartilha:

2 comentários em “História da Catedral de Coari — 1910”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Praça São Sebastião
Literatura
Archipo Góes

A Praça São Sebastião

O texto descreve a Praça São Sebastião em Coari como um local impregnado de memórias e eventos significativos para a comunidade local. Desde arraiais a marchas cívicas, procissões, gincanas e festas de carnaval, a praça foi o cenário de diversas atividades que marcaram a cultura coariense. Além disso, a presença de edifícios importantes como a Catedral, escolas e órgãos públicos ressaltam a relevância histórica do local. As lembranças nostálgicas do autor sobre a praça e seus arredores durante a década de 1980, incluindo detalhes culinários e encontros sociais, destacam a importância afetiva e cultural desse espaço na vida da comunidade.

Leia mais »
Feira
Literatura
Archipo Góes

A Feira

Texto de memórias de Manuella Dantas sobre suas lembranças de infâncias acerca da feira do produtor rural de Coari.

Leia mais »
Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Narraremos a biografia de Deolindo Dantas, um importante líder político e comercial da cidade Coari. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e um personagem lendário e polêmico na história de nossa cidade.

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.