Search
Close this search box.

O Brasão de Coari

Archipo Góes

O Brasão de Coari foi criado pela professora Etelvina Batista Batalha, no ano de 1985, em um concurso realizado pela Câmara Municipal de Coari.

Esse símbolo é composto de vários elementos ilustrativos com significados representativos de nossa identidade histórica e cultural. Na parte superior, observamos uma coroa, simbolizando o título de “Rainha do Solimões” conferido pelo Almirante Augusto Hamann Rademaker Grünewald (na época vice-presidente da Republica). Na parte superior da coroa há uma estrela de primeira grandeza que representa a sede do município, localizado a margem direita do lago de Coari.

Na coroa podemos observar a presença de sete cruzes representando a origem e a colonização do município sob o símbolo cristão. Sendo que o número sete representa a perfeição na Bíblia.

Na base da coroa, podemos encontrar ainda cinco estrelas menores que representam ilustrativamente os 5 distritos de Coari: Itapéua, Camará, Barro Alto, Copeá e Piorini.

Observamos também, dois “S” inclinados ao lado da coroa como figuras decorativas. No centro há um escudo, em que dentro há uma paisagem típica, emblemática e histórica de Coari. Observamos uma mangueira que ficava próxima ao sobradinho dos Dantas, e mais distante, as águas do lago de Coari, o pôr-do-sol que acontece entre a ponta do Jurupari e o Buquará. Cena bucólica de uma lembrança da juventude da autora do símbolo e de muitos coarienses.

Na parte inferior do escudo, há no lado esquerdo uma folha de bananeira, representando a grande produção de banana que o município possuía nos anos 80, e assim, mais tarde houve a criação da Festa da Banana. No lado direito, encontramos uma folha de guaraná, pois na década de 70, Coari foi um grande produtor dessa cultura, chegando a ter uma fábrica de guaraná.

Na parte inferior encontramos uma faixa, contendo os seguintes anos:

1874 (à esquerda) – Consolidação e Oficialização da criação do território do Município de Coari (desmembrado de Tefé em 1848). Na mesma data, a Freguesia de Coari é elevada à categoria de Vila de Coari.

1932 (à direita) – Emancipação política de Coari. A Vila de Coari é elevada à categoria de Cidade.

1985 (ao centro) – Ano de criação do Brasão Municipal de Coari. Foi oficializado através do Decreto Legislativo nº 015 e a Lei Municipal nº 067 de 13 de julho de 1985.

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Praça São Sebastião
Literatura
Archipo Góes

A Praça São Sebastião

O texto descreve a Praça São Sebastião em Coari como um local impregnado de memórias e eventos significativos para a comunidade local. Desde arraiais a marchas cívicas, procissões, gincanas e festas de carnaval, a praça foi o cenário de diversas atividades que marcaram a cultura coariense. Além disso, a presença de edifícios importantes como a Catedral, escolas e órgãos públicos ressaltam a relevância histórica do local. As lembranças nostálgicas do autor sobre a praça e seus arredores durante a década de 1980, incluindo detalhes culinários e encontros sociais, destacam a importância afetiva e cultural desse espaço na vida da comunidade.

Leia mais »
Feira
Literatura
Archipo Góes

A Feira

Texto de memórias de Manuella Dantas sobre suas lembranças de infâncias acerca da feira do produtor rural de Coari.

Leia mais »
Deolindo Dantas
História
Archipo Góes

Deolindo Dantas – 1895

Narraremos a biografia de Deolindo Dantas, um importante líder político e comercial da cidade Coari. Foi o principal opositor político de Alexandre Montoril e um personagem lendário e polêmico na história de nossa cidade.

Leia mais »
Crônica
Literatura
Archipo Góes

Crônicas de Coari – Vol. 01

Nesta página, podemos ter acesso ao Flipbook Crônicas de Coari, que disserta sobre a cotidiano da cidade de Coari e sua história.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.