Search
Close this search box.

Centenário de Dom Mário

Dom Mário

Nesse texto vamos observar a narração da jornada de vida e espiritual de Dom Mário, primeiro bispo de Coari.

Dom Mário

Robert Emmett Anglim nasceu no dia 04 de março de 1922, em Lombard, uma vila localizada na área metropolitana de Chicago, Illinois, EUA, quinto dos noves filhos de Rosanna Purcell e Francis Michael Anglim.

Foi educado no Seminário Menor dos Redentoristas, St. Joseph’s College, em Kirkwood, Missouri. Fez o noviciado em De Soto, naquele mesmo estado, onde professou na dita ordem, em 2 de agosto de 1942.

Completou os estudos de filosofia e teologia no Seminário da Imaculada Conceição em Oconomowoc, Wisconsin, sendo ordenado sacerdote em 6 de janeiro de 1948, pelas mãos do arcebispo Moses Elias Kiley, da Arquidiocese de Milwaukee.

Em fevereiro de 1949, logo depois de ordenado, viajou para o Brasil e trabalhou na paróquia de N.S.P. do Socorro em Belém. No Pará, o então Pe. Robert Anglim adotou o nome de Mário Anglim em homenagem ao arcebispo de Belém, Dom Mário Miranda Villas-Boas.

De junho de 1953 a janeiro de 1959, foi vigário da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Manaus, Amazonas. De lá, foi transferido para Coari, onde foi vigário da Paróquia Sant’Ana e São Sebastião, até janeiro de 1962, quando foi nomeado superior vice provincial dos redentoristas da Amazônia.

Em 25 de abril de 1964, o Papa Paulo VI o escolheu prelado da recém-criada Prelazia de Coari.

No dia 22 de janeiro de 1968, Dom Mário naturalizou-se brasileiro.

Dom Mário atendeu às terceira e quarta sessões do Concílio Vaticano II e foi responsável por iniciar as reformas do concílio na prelazia.

Em 2 de maio de 1970, foi nomeado administrador apostólico da Prelazia de Lábrea, vaga com a morte de Dom José del Perpetuo Socorro Alvarez Mácua, OAR.

Permaneceu nesta função por um pouco mais de um ano, até 7 de junho de 1971, com a chegada de seu sucessor.

Durante os sete anos que serviu como prelado, D. Mário trabalhou para trazer melhorias para sua prelazia. Sempre que viajava ao interior, levava consigo, além de catequistas, um grupo de enfermeiros e de assistentes sociais. Construiu centros de treinamento para educação de adultos do meio rural. Foi membro da Associação de Crédito e Assistência Rural do Amazonas (ACAR/AM) e do Movimento de Educação de Base.

O bispo Dom Mário Roberto Anglim, prelado de Coari, faleceu no dia 13 de abril de 1973 em Manaus, vítima de um ataque cardíaco.

Ele faleceu às 7h30min, no porto de Manaus, onde acabara de chegar do rio Solimões. Seu corpo foi velado durante toda a tarde do mesmo dia, na igreja de Aparecida, onde foi vigário durante algum tempo, e onde recebeu visitas do povo e das autoridades do Estado. Depois da missa de corpo presente, realizada às 19h30min, o corpo foi levado para Coari, onde foi sepultado no piso do altar da Catedral Prelatícia de Santana e São Sebastião.

Dom Mário
Lápide de Dom Mário

Para ler mais sobre a cultura coariense:

História e Contextualização da Catedral de Coari — 1910

A Chegada dos Padres Redentoristas em Coari — 1943

Professor Góes — 50 anos de dedicação a Coary

A Origem da Igreja Assembleia de Deus em Coari — Parte 01

A Primeira Igreja Batista de Coari — 1932

Papa Francisco cria Diocese de Coari, no Amazonas

Está gostando ? Então compartilha:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guadalupe
Literatura
Archipo Góes

O Trio Guadalupe – 1987

O texto narra as memórias da autora sobre sua infância na década de 80, marcada pela paixão por filmes de dança e pela amizade com Sirlene Bezerra Guimarães e Ráifran Silene Souza. Juntas, as três formavam o Trio Guadalupe, um grupo informal que se apresentava em eventos escolares e da comunidade, coreografando e dançando com entusiasmo. O relato destaca a criatividade e a alegria das meninas, que improvisavam figurinos e coreografias, e a importância da amizade que as uniu. Apesar do fim do trio, as memórias das apresentações e da cumplicidade entre as amigas permanecem como um símbolo daquela época especial.

Leia mais »
maçaricos
Literatura
Archipo Góes

Os maçaricos do igarapé do Espírito Santo têm nomes

Maçaricos, aves e crianças, brincavam lado a lado no Igarapé do Espírito Santo em Coari–AM. Um local de rica vida natural e brincadeiras, o igarapé variava com as cheias e secas, proporcionando pesca, caça e momentos marcantes como a brincadeira de “maçaricos colossais” na lama. O texto lamenta a perda da inocência e da natureza devido à exploração do gás do Rio Urucu e faz um apelo para proteger as crianças e o meio ambiente.

Leia mais »
França
Literatura
Archipo Góes

O boi de França e o boi de Ioiô

O texto “O boi de França e o boi de Ioiô” é um importante documento histórico que contribui para a compreensão da cultura popular e da tradição do boi-bumbá no Amazonas. Através de uma narrativa rica em detalhes, o autor nos leva de volta ao ano de 1927 e nos apresenta aos personagens e eventos que marcaram a introdução dessa importante manifestação cultural em Coari.

Leia mais »
Corpo Santo
Literatura
Archipo Góes

Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada

O texto “Um Corpo Santo e as serpentes na brisa leve e na água agitada” é um belo exemplo de como a literatura pode ser usada para retratar a realidade social e ambiental da Amazônia. Através de uma linguagem rica e poética, o autor nos convida a refletir sobre a vida dos ribeirinhos, a beleza da natureza e a importância da preservação ambiental e social.

Leia mais »
Santana
Literatura
Archipo Góes

O Novenário de Santana

A crônica “O Novenário de Santana” é um belo exemplo de como a memória afetiva pode ser construída e transmitida através da escrita. Através de uma linguagem rica e descritiva, a autora nos transporta para sua infância e nos convida a compartilhar de suas emoções e saudades.

Leia mais »
Boto
Literatura
Archipo Góes

Entre águas e sonhos: uma tragédia anunciada – Botos

Entre Águas e Sonhos acompanha a jornada de um homem marcado por perdas em busca de redenção. Ele confronta seus demônios e os perigos da floresta, em meio à beleza e brutalidade da natureza. Encontros intrigantes e eventos misteriosos tecem um suspense envolvente, conduzindo a um desenrolar cheio de reviravoltas. Segredos da floresta, natureza humana e a busca por redenção se entrelaçam neste conto que te convida a desvendar o destino de um boto.

Leia mais »
A Escola
Crônicas
Archipo Góes

A Escola

Manuella Dantas narra nostalgicamente sua jornada na escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ela destaca a mudança de uniforme, a rotina diária, as atividades recreativas e a interação com professores e alunos. A escola, repleta de memórias felizes e fundamentais para sua formação acadêmica, é retratada como uma parte importante de sua vida.

Leia mais »
Rolar para cima
Coari

Direiros Autorais

O conteúdo do site Cultura Coariense é aberto e pode ser reproduzido, desde que o autor “ex: Archipo Góes” seja citado.