Zeca-Dama – Erasmo Linhares

Zeca-Dama – Erasmo Linhares

Não, senhor, desarme essa cara de malícia. Não é nada do que o senhor está pensando. Sou macho e muito macho. Até hoje o cabra que duvidou disso, levou o troco certo na hora. Mais »

A Freguesia de Alvelos

A Freguesia de Alvelos

O assobio rasgou duas vezes a mata e veio se repetir bem perto de onde nós estávamos. Na cozinha, Maria José preparava um cozidão daqueles. “Caparari” salmourado com bastante verdura Mais »

 

Cultura

Atividades Realizadas na Secretária de Cultura (Página em Construção)

Duração: 1 Ano e 6 meses.

17 de abril de 2015 a 07 de outubro de 2016

1.0 – A problemática do Fator Econômico:

— Nós só nos deixamos vencer pela falta de verba, se nos tornarmos subornáveis. Mas, se nós adotarmos uma pobreza libertadora, podemos criar um mundo.

2.0 – Projetos Realizados:

2.1 – Cinema na Praça e Auditório

O projeto Cinema na Praça foi realizado em julho de 2015 e atingiu principalmente os bairros mais carentes de Coari. Depois de um dia de panfletagem na vizinhança e divulgação com carro de som, o evento iniciava as 19h com alguns vídeos institucionais da Prefeitura de Coari. No segundo momento, o cinema foi realizado com algumas escolas no auditório Silvério Nery.

2.2 – Exposição de Fotos da Coari Antiga

As atividades culturais começaram no dia 17 de julho, com o lançamento da 1ª edição do Projeto Sexta Cultural, realizado no ginásio esportivo Antônio Mariano, e contou com a presença de muitos estudantes e antigos moradores coarienses que conheceram um pouco mais da história da cidade, através das raríssimas imagens reunidas na exposição.

A exposição fotográfica se chama “Coari – um retorno às origens” percorreu as praças e escolas da cidade mostrando ao povo, principalmente aos mais jovens, uma Coari bem diferente daquela que tomou conta das páginas de jornal. Coari tem sua história marcada pela riqueza de sua cultura e pela riqueza intelectual de personalidades locais como o escritor coariense Francisco Vasconcelos, membro da Academia Amazonense de Letras, que é o homenageado com a exposição.

A exposição reuniu fotografias antigas da cidade, focando especialmente nas personalidades de destaque dos diversos seguimentos sociais e no casario, com tradicionais pontos do comércio, praças e espaços públicos que outrora fizeram parte do cenário da “Terra do Gás Natural”, mas que hoje só podem ser vistos, em sua grande maioria, através de fotografias, como o Tijuca Esporte Clube, o Cine Alex, o Trapiche, o Obelisco e o Coreto Municipal, ambos foram símbolos importantes do cotidiano da cidade.

 

2.3 – Escola de Música de Coari

Em Coari, música que alimenta a alma e ocupa a mente, ao alcance dos jovens

A Escola de Música de Coari, criada em outubro de 2015, nasceu com o intuito de trazer os mais jovens para o mundo da música, alimentando a alma inquieta e ocupando mentes criativas para um futuro de sucesso. Com esse objetivo, a Secretaria de Cultura e Turismo (Secult), inscreveu 450 alunos inscrições para turmas do Curso de Iniciação Musical, da Escola Municipal de Música de Coari. O curso, que teve a duração de um ano e seis meses, e foi realizado no próprio prédio da Secult, de segunda a sexta-feira, das 17h30min às 18h30min e das 19h30min às 20h30min.

O curso foi ministrado pelo maestro e trombonista, Gilberto Souza, da Ordem dos Músicos Brasileiros, seção Amazonas (OMB/AM 3529/2004). E, funcionou em duas etapas. A primeira com a duração de doze meses, com aulas de teoria musical e solfejo. A segunda etapa, com aulas de musicalização e teve a duração de seis meses. As aulas foram de prática instrumental, com instrumentos como: flauta doce, violão.

De acordo com o secretário de cultura, Archipo Góes, o curso tem como objetivo prover aos alunos a partir de 12 anos de idade uma profunda e diferenciada formação musical, de modo que estejam aptos a atuar como instrumentistas ou cantores profissionais em orquestras, coros, grupos camerísticos, na área de correpetição (o correpetidor tem sua origem ligada ao acompanhamento da música essencialmente vocal, tanto solista como coral).

2.3.1 – Banda da Cultura

Um projeto que fazia parte da Escola de Música de Coari, em que os alunos poderiam praticar os conteúdos apreendidos em sala de aula. Foi um excelente apoio pedagógico.

2.4 – Posse ao Conselho de Políticas Culturais

Depois de alguns anos o Conselho de Políticas Culturais finalmente foi empossado.

2.5 – Literatura

2.5.1 – Lançamento do Livro “Uma literatura coariense”

A história de Coari é marcada pela diversidade cultural. Um povo de espírito hospitaleiro e orgulhoso de sua cultura. Coari da banana, do ouro negro. Nossa Rainha do Solimões. É essa Coari de tantas histórias e tradições que a atual administração municipal, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo tem procurado resgatar e ao mesmo tempo fomentar, através da implementação de projetos que têm como alvo o resgate a valorização da história de nossa terra, nosso povo, dos valores culturais à vida política e econômica. Porque acredita que buscar as origens de nossa formação histórica, entender as nossas raízes e especificidades é fundamental para compreendermos o que somos hoje e construirmos um amanhã mais próspero. Para tanto, tem-se apresentado para a à comunidade a nossa história através de exposições fotográficas e da publicação e reedição de obras literárias que ajudam a entender e desvendar a história de Coari. De aldeia à vila, da vila à cidade, da produção da banana à exploração do petróleo e do gás, da sua história política à sua história cultural. Além disso, outros projetos de fomento à cultura, em vários segmentos, estão movimentando a juventude coariense.

2.5.2 – Lançamento do Livro “Saga Ribeirinha”

A poesia vive no coração humano, porém somente a percebe aquele que possui um olhar atento, um brilho nos olhos e sentimentos latentes.

Mostrar-se através das palavras é tarefa difícil, deixar o outro saber o que vive em teu íntimo é ainda mais complicado, mas quando a poesia grita mais alto que a timidez, a folha de papel ganha vida e o poema se espraia.

O Alex Alves não conseguiu conter esse turbilhão de emoções e querenças amazônicas e se desnudou em Saga Ribeirinha.

Deixou nesta singela obra sua impressão sobre o livro, a solidão que o caboclo sente, o vazio que sentimos com a ausência da pessoa amada, os passamentos dos ribeirinhos, o povo que sofre com os maus políticos e até nos ensinou a fazer uma farinhada, que delícia.

Um espaço também foi reservado para a religião, porque não existe interiorano sem uma crença fervorosa em Deus e uma esperança em dias melhores.

O rapaz é novo, mas já transpira uma poesia inspirada pela própria terra, tem orgulho dos nossos costumes, fala com pureza da bucólica vida do caboclo.

Por fim, acaricia nossos sentidos com os criativos Haicais.

Alex, concordo contigo:

“Pirarucu frito

Chibé de farinha d’agua

Melhor que caviar”

Iracema Martins

 

2.5.3 – Lançamento do Livro “Conselho de Deus”

Acreditando que a literatura é de fato uma manifestação artística indispensável para a formação cultural e social de um povo, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – SECULT dedicou uma atenção especial ao Projeto de Fomento à Cultura Literária Coariense, criado com o objetivo de incentivar à criação, à produção e a difusão literária coariense.

O projeto funcionou como uma espécie de estímulo à cultura ou promoção ao desenvolvimento cultural através do qual a SECULT incentivou à produção, o financiamento e a publicação de obras de autores coarienses, e ainda ajudou a difundir distribuindo gratuitamente nas escolas da rede municipal e estadual de ensino do município. E, por meio do Projeto Sexta Cultural, que reuniu todos os segmentos da cultura local em eventos realizados em praças e ginásios da cidade, os autores têm a oportunidade de ter um contato direto com seus leitores e vice-versa.

Mais uma vez os sentimentos do poeta Sula vêm acariciar nossos ouvidos. A vida reinventada em poesia parece mais sublime de ser aproveitada, e ele sabe disso. A agitação da modernidade não consegue apagar o arco-íris que vive nesse coração inspirado.
Nessas páginas conseguimos vislumbrar um Sula apaixonado, introspectivo, mas sempre preocupado com a natureza, com os desfavorecidos e temente a Deus. Fala de amor, de respeito pelo próximo e da vinda de um salvador, que morreu, porém virá para dar ao homem mais uma redenção.
O poeta interiorano lembra o quão importante é um sorriso pueril, um brincar de pular cordas e, principalmente, o futuro que esses pequenos construirão.
Não passa despercebida a esperança de ter uma Coari melhor, de um lugar bom para viver, para acolher aqueles que a amam.

O bom mesmo é saber que em todo lugar, longe ou perto, na beira do rio ou da estrada, sempre há um poeta à espreita para invadir o momento com suas palavras de inspiração, em Coari, lá na Costa do Jussara não é diferente, tem um Sula alegrando com poesia.

Iracema Martins

 

2.5.4 – Curso de Literatura de Cordel e Sonetos

No período de 10 a 25 de setembro de 2015, a SECULT promoveu a 1ª oficina de Literatura de Cordel de Coari, com a participação de alunos do ensino médio da rede estadual de ensino do município. A oficina objetivou desenvolver nos participantes o gosto pela leitura e a capacidade de escrita, através desse rico gênero da cultura popular brasileira, introduzido em Coari pelo ex-prefeito Alexandre Montoril, no início da década de 30 e popularizado pelo cordelista coariense, Chagas Simeão da Silva.

Através da literatura de Cordel é possível refletir e escrever sobre a história e a cultura coariense. O objetivo da oficina foi alcançado. Os participantes da oficina produziram um cordel coletivo que resultou na produção de um livreto de cordel de 24 páginas, intitulado “A história e a cultura coariense nas rimas do cordel”. A obra foi lançada neste domingo, 6 de dezembro de 2015, no auditório Silvério Nery. A obra é composta por 60 sextilhas – estrofes de seis versos, através das quais os 54 alunos que participaram da oficina demonstram uma impressionante capacidade criativa para poetizar nos versos e nas rimas do cordel, uma Coari de ricas histórias e cultura popular, como pode ser conferido no fragmento a seguir:

Terra de índios guerreiros,

Das tribos do Solimões.

Província de Machiparo,

De muitas aniquilações.

Tem sua história marcada,

Por particularizações.

Começando pelo nome

Pelo qual foi batizado,

Pouca gente sabe

O real significado.

Se buraco ou buraquinho?

Ou se Rio do Ouro encantado?!

O certo é que Coari,

Surgiu de uma aldeia.

Uma aldeia lá do lago,

Donde uirapuru gorjeia.

Disso não há dúvida

E não há quem titubeia!

De aldeia virou Freguesia,

Sob as bênçãos de Sant´Ana.

Quem denominou foi Fritz,

Um padre muito bacana,

Que passou aqui em missão,

Servindo à Igreja romana.

Todos fiquem atentos

Para o que agora vou dizer,

A cultura desse povo

É difícil de descrever,

Pois são tantas qualidades

Para a gente debater.

Coari cidade moderna,

Terra do gás natural.

Raízes de nós caboclos,

Onde tudo é sem igual.

Amamos nossa cultura,

Ela é linda e Magistral!

 2.6 – Curso de Desenho Artístico:

Apostando alto na formação e na capacitação dos artistas da Rainha do Solimões, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), realizou um Curso de Desenho Artísitico e Iniciação à Pintura, com a participação de 100 pessoas, entre crianças, jovens e adolescentes.

O curso foi ministrado pelo artista plástico coariense, Paulo César, o Torrado, um dos mais renomados e premiados pintores amazonenses. Paulo César já venceu o Salão de Artes Marinha do Brasil por duas vezes consecutivas (2006/2007).

“Foi mais uma oportunidade, que a Secretaria de Cultura e Turismo ofereceu aos jovens coarienses, que desejam aprender ou aperfeiçoar a arte do desenho e da pintura. E, assim como os demais cursos que foram oferecidos na Secult, o Curso de Desenho e Pintura foi totalmente gratuito, o único pré-requisito exigido dos participantes foi que tivessem mais de 12 nos de idade e possuíssem noções básicas de desenho”, garantiu o secretário Archipo Góes.

O curso fez parte do Projeto de Fomento e de Valorização da Cultura Coariense da secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

O curso teve a duração de quatro semestres. No primeiro momento, os alunos aprenderam técnicas de construção do corpo, formatação de cada elemento, perspectiva e movimentação corporal para o desenho artístico. No segundo momento os alunos puderam escolher o que desenhar e recebem o suporte técnico. Alunos com mais experiências direcionaram seus trabalhos para a construção de paisagens, arquitetura, natureza morta e animais.

 

2.7 – Encontro com o Ministério da Cultura para a liberação da Praça CEU

 

2.8 – Convênio com o CAUA (Centro de Artes da Universidade do Amazonas)

 

2.9 – Parcerias
2.9.1 – Encontro para Moacir Andrade

Parceria para trazer a Academia de História Amazonense para Coari e a Realização de uma Exposição em Coari Com Seu Acervo.

2.9.1 – Encontro com o Saudoso Escritor Coariense Francisco Vasconcelos

A liberação para reedição e distribuição do Livro Coari: Um Retorno às Origens

2.10 – Sexta Cultural

O Sexta Cultural foi um projeto itinerante de fomento à cultura desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Coari, com o objetivo de oferecer aos artistas coarienses, de todos os seguimentos culturais, a oportunidade de em todas as últimas sextas-feiras de cada mês apresentar seus trabalhos nas praças dos bairros da cidade.

Durante as Sextas Culturais aconteceram diversas apresentações musicais, com destaque para o resgate das antigas toadas dos bois bumbás coariense, Corre-Campo e Rei Garantido, além de danças, exposição e venda de artesanatos, recital de poesias e o lançamento do livro de poemas “Saga Ribeirinha”, do jovem poeta coariense Alex Alves.

De acordo com a professora especialista Iracema Martins, Alex Alves imprime em Saga Ribeirinha “a solidão que o caboclo sente, o vazio que sentimos com a ausência da pessoa amada, os passamentos dos ribeirinhos, o povo que sofre com os maus políticos e até nos ensinou a fazer uma farinhada” e conclui: “o rapaz é novo, mas já transpira uma poesia inspirada pela própria terra, tem orgulho dos nossos costumes, fala com pureza da bucólica vida do caboclo”

 

2.11 – Organização do Lançamento do Livro do Professor Igor

2.12 – Curso de Modelo e Manequim

Curso de Modelo e Manequim preparou jovens coarienses que sonhavam em seguir carreira no mundo da moda

O curso foi promovido pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, e visou a formação de jovens interessadas em seguir carreira no mundo da moda, publicidade e propaganda bem como promover o desenvolvimento pessoal em situações cotidianas.

A formação compreendeu fatores de aprendizagem tais como: postura, modo de andar, comportamento, roupas adequadas, regras de etiqueta, entre outros.

O curso contou com a participação de 300 jovens coarienses, entre 10 e 27 anos de idade, e foi ministrado pelo coreógrafo do Miss Amazonas, Rainério Maciel, que também já coordenou o Concurso Miss Coari inúmeras vezes.

De acordo com o secretário de Cultura e Turismo, Archipo Góes, “esse curso atendeu a solicitação de grande parte da sociedade coariense, que há muitos anos cobrava que o Governo Municipal promovesse uma formação nessa área”.

“Desde a década de 60, Coari tem a tradição de revelar grandes talentos para os concursos de beleza a nível estadual e até nacional, vencendo o Miss Amazonas de 1968, com Fátima Acris, fato que a credenciou a concorrer o Concurso Miss Brasil do mesmo ano, e o Miss Amazonas Estudantil, com Mara Alfrânia (1991) e Cleomara Araújo (1992). Esses concursos, inclusive, ajudaram a tornar a cidade de Coari a ser chamada de Terra da Mulher Bonita. Mas na última década, essa tradição perdeu forças porque além dos gestores não incentivarem, os empresários coarienses também deixaram de promover os também tradicionais desfiles de moda, que eram realizados nas ruas e praças da cidade. E o nosso trabalho também tem o objetivo de resgatar essa bonita tradição da cultura coariense”, garante Archipo.

 

Desfile em Grupo

2.13 – Oficina de Teatro

A oficina foi uma realização da Prefeitura de Coari, através da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, numa parceria com o Centro de Artes da Universidade Federal do Amazonas-CAUA, e tem como objetivo dar oportunidade a artistas do segmento das artes cênicas (teatro, dança, circo) a se aprimorar ou conhecer a arte da direção. As aulas foram ministradas pelo ator e diretor teatral, James Araújo, da Universidade Federal do Amazonas-UFAM.

O curso desenvolveu capacidades ligadas à análise de texto, concepção, planejamento de produção, direção de ator, mediação criativa, linguagem e comunicação teatral.

“A nossa intenção foi reunir pessoas que já tinham ou desejavam ter uma experiência com teatro e que pretendiam investir no universo teatral do ponto de vista do diretor, liderar grupos teatrais ou simplesmente buscar ferramentas para potencializar o trabalho já realizado, tornando sua arte mais autônoma. A ideia foi contribuir para o surgimento de novos diretores ou a melhorar os estudos continuados do que já atuavam, no sentido de que, num futuro próximo, a cidade tenha maior prospecção da arte teatral por meio da criação de grupos e pequenas companhias”, disse Góes.

Coari: Fragmentos

2.14 – Sarau Literário

Coari realiza 1º Sarau Literário com lançamento de livro

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult) realizou o 1º Sarau Literário de Coari. O evento foi realizado no auditório da Secult (Mandy´s Club) e contou com uma expressiva participação da sociedade coariense.

O Sarau contou com exposições de fotografias de Coari antiga, quadros de artistas coarienses, roda de leitura, recital de poesias e apresentações musicais. O momento cultural teve ainda a participação de escritores, e o lançamento do livro “Conselhos de Deus”, do poeta coariense Silvanei Santos da Silva, o Sula dos Santos. Natural da comunidade Nossa Senhora Aparecida, zona rural de Coari, Sula é professor do Ensino Fundamental, na comunidade São Sebastião do Patoá, lago de Coari. “É um prazer muito grande estar aqui lançando este livro que é fruto de um trabalho de muita dedicação”, disse Sula.

O 1º Sarau Literário também marcou o encerramento da 2ª Oficina de Literatura de Cordel e a abertura do Curso de Artes Plásticas (Desenho e Pintura), promovidos pela Secretaria de Cultura. Os dois cursos integram o Projeto de Promoção, Valorização e Incentivo à Cultura e à Leitura, implantado no município pelo atual secretário de Cultura Archipo Góes.

“Estamos incentivando os nossos jovens a produção literária. Fazer poesia é transpor a alma e nós estamos contribuindo para que eles (os jovens) desenvolvam isso de forma natural. Estamos muito felizes em poder lançar oficialmente mais um escritor de coariense e isso nos orgulha muito”, disse o facilitador da oficina de literatura de cordel, Daniel Almeida.

Para o secretário de Cultura, Archipo Góes, o Sarau é um espaço onde os artistas podem mostrar seus trabalhos. “Queremos despertar em nossos jovens o gosto pela literatura e eventos como este oportunizam nossos escritores e alunos poder expor o que desenvolvem com muito profissionalismo e dedicação”, destacou.

2.15 – Aniversário de Coari 2015

Então, no último Domingo, dia 02/08/2015, foi realizado a festa de aniversário de 83 anos do município de Coari, interior do Estado do Amazonas. E o evento foi marcado pela presença do cantor Léo Magalhães e do concurso da mais bela mulher do município, o Miss Coari 2015.

Para quem não sabe, esse concurso é super tradicional no município e diga-se de passagem, o concurso foi MARAVILHOSO e com um nível de produção acima de vários concursos Estaduais de nosso País. A coroação, concedida pelo best Miro Sampaio que estava presente junto com a nossa belíssima Miss Mundo Amazonas 2015, Mayra Dias. Ambos foram convidados para compor o time de jurados do concurso e Miro foi presidente do júri.

A grande vencedora foi Emanuele Nogueira, de 18 anos de idade. Ela representará por um ano o seu município em eventos locais e também na capital amazonense, Manaus.

por HamonTsuji

blogueiro

 


2.16 – Miss Coari 2016

 

 

2.17 – Natal das Luzes

Um show pirotécnico, seguido das apresentações da Cantata de Natal da Igreja Adventista, e da banda da Secretaria de Cultura, realizadas na praça de Santana e São Sebastião, no centro da cidade, marcaram a abertura das comemorações do Natal e do Ano Novo em Coari.  Um projeto realizado com muita criatividade e bom senso no valor 100 mil reais, e assim mostramos que é possível realizar uma grande festa, respeitando o dinheiro público e promovendo eventos de boa qualidade para a população sem gastar de forma excessiva e desnecessária.

 

2.18 – Secretaria de Cultura lança a campanha doe um livro para a nossa biblioteca

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Coari (Secult) lançou nesta segunda-feira, 30, às 10 horas, na sede da Secult, a Campanha “Doe Um Livro para a nossa biblioteca”. O objetivo da campanha é realizar a coleta do maior número possível de livros de literatura (livros didáticos estão de fora da campanha) para ampliar o acervo da biblioteca da secretaria, que atualmente tem cerca de 2 mil livros, para no futuro transformá-la na Biblioteca Pública Municipal.

O primeiro livro foi doado pelo secretário de cultura e turismo, Archipo Góes, que disse estar confiante que a população coariense
abrace a campanha, uma vez que o município de Coari, já teve uma biblioteca pública com aproximadamente 10 mil livros em seu acervo, mas que está há 25 anos sem esse importante órgão democrático, responsável por propiciar oportunidade à leitura e a informação a todos.

Para o secretário, a implantação de uma nova biblioteca pública em Coari é um dos maiores legados que se pode deixar para as futuras gerações, pois proporcionará as crianças e jovens tudo de bom que a prática da leitura oferece.

“Quando minimizamos os obstáculos entre os livros e os jovens, ajudamos a formar cidadãos conscientes, que através do prazer pela leitura adquirem maior bagagem cultural, social e política, preparando-se melhor para o futuro”, afirmou Góes.

Contribua com essa campanha. Doe um livro novo ou usado e ajude na implementação da Biblioteca Pública Municipal de Coari.

Conclusão:

Foram meses em que finalmente a cultura coariense foi trabalhadas em vários segmentos ou vertentes. Começamos a conhecer nossas representações e descobrimos o orgulho de ser COARIENSE.

Equipe de trabalho:

Archipo Góes – Secretário de Cultura e Turismo

Irley Chamy – Secretária Adjunta de Cultura e Turismo

Daniel Almeida – Assessor de Comunicação e Professor de Cordel

Adal Silva – Assessor de Música

Alex Alves – Poeta e Professor

Leôncio Matos – Assessor de Projetos

Paulo César – Professor de Artes Plásticas

Maestro Souza – Professor de Música

Rainério Maciel – Professor de Passarela